Servidor de Som: Raspberry Pi + Home Theater DIY

Começando pelo Fim

Este artigo demonstra um pouco das minhas vivências e experiências no mundo do áudio. Posso dizer que meu primeiro contato com a eletrônica, com a eletrônica embarcada, com marcenaria e com universo maker e do DIY (Do It Yourself, ou Faça Você Mesmo) foi motivado pela minha paixão pelo áudio. Filmes, músicas, videoclipes: tudo fica muito melhor se ouvido em um sistema de som bacana. Esta paixão motivou, então, minhas escolhas profissionais e proporcionou meu primeiro contato em várias áreas que hoje atuo profissionalmente, mas continuo atuando como hobby também.

Continuando pelo Meio

Este artigo mostra parte do que compõe o Sistema de Som que montei para mim. Este sistema é composto em (quase) sua totalidade por componentes feitos por mim mesmo: caixas de som, amplificadores e Servidor de Som. Toda esta saga foi descrita em um post no Discourse do LHC (Laboratório Hacker de Campinas). Convido a todos a conhecerem estas demais etapas e componentes do Servidor de Som por lá, basta seguir este link.

O servidor de som é o componente que, de certa forma, liga os demais componentes do sistema: ele faz a comunicação com a mídia sendo reproduzida e a placa de som que, por sua vez, é ligada aos amplificadores. O servidor de som será implementado numa Raspberry Pi 4 que, além desta funcionalidade, serve também de central de mídia do sistema, provendo conteúdo a ser reproduzido em uma tela através da saída HDMI.

Finalmente, o Começo: Visão Geral

Antes de mergulhar de cabeça no Servidor de Som, apresentarei brevemente os componentes do sistema em forma de um diagrama de blocos para melhor entendimento:

Servidor de Som

Placa de Som: Creative Soundblaster X-Fi Surround 5.1 Pro

A placa de som é dos componentes principais do sistema: a placa da Creative foi escolhida por apresentar excelente desempenho sonoro, ser compatível com sistemas operacionais Linux e Windows e possuir, ainda, um controle de volume através de um botão rotativo na própria placa além de um controle remoto.

A placa de som, como mostra o diagrama, faz o papel de pré-amplificação do sinal de áudio que é enviado aos amplificadores Gainclones através de suas saídas de áudio, tal como na imagem a seguir:

Saídas de Áudio da Placa de Som Creative SB X-Fi

A saída das caixas frontais esquerda (LEFT) e direita (RIGHT) são do tipo RCA, sendo que um cabo RCA-RCA é utilizado para ligá-las ao amplificador de potência (Gainclone) responsável pela amplificação destas caixas. As saídas de áudio referentes às caixas laterais esquerda e direita (REAR) e à caixa central e unidade de graves (C-SUB), no entanto, possuem saídas do tipo P2 estéreo. A saída P2 estéreo (muito comum para fone de ouvido, por exemplo) possui o sinal de dois canais de áudio no mesmo conector. Desta forma, é necessário um cabo P2-RCA para ligá-las aos respectivos amplificadores de potência.

Entrada de áudio da Placa de Som Creative SB X-Fi

A placa de som possui ainda entradas de áudio LINE-IN e MIC-IN, tornando-se possível a ligação de uma fonte de áudio externo na placa de som. Esta fonte será o Toca Discos DD-100Q da Gradiente. Uma vez conectada à placa de som, este sinal pode ser processado pelo servidor de som e até mesmo ser reproduzido nas saídas de áudio.

Placa de Som Creative SB X-Fi e Raspberry Pi 4

De forma a poder utilizar a placa de som para reproduzir sons de distintas fontes, a placa foi conectada (através de uma porta USB) a uma Raspberry Pi 4. A placa é prontamente reconhecida pelo sistema operacional. De modo que outros dispositivos possam executar áudio na placa de som conectada à Raspberry Pi 4 conectando-se via Bluetooth ou através da rede local (ethernet ou Wi-Fi).

Servidor de Som: Raspberry Pi 4

O servidor de som, implementado através de uma Raspberry Pi 4, é o componente que permite que outros computadores e celulares reproduzam fontes de áudio no sistema de som. Para tal, utilizaremos as funcionalidades do Pulseaudio!

Pulseaudio

O Pulseaudio é um “servidor de som em rede multi-plataforma , comumente usado em sistemas baseados no Linux e FreeBSD”. De forma resumida, o Pulseaudio permite controlar fontes de áudio, dispositivos de saída (placas de som ou dispositivos virtuais) e entradas de áudio. Em nossa aplicação, utilizamos o Pulseaudio na Raspberry Pi 4 para controlar a placa de som Creative SB X-Fi. É possível, através do Pulseaudio, reproduzir fontes de áudio gerados no próprio sistema (por exemplo, ao executarmos vídeos na própria Raspberry Pi) e também é possível reproduzir fontes de áudio que se conectam ao servidor do Pulseaudio da Raspberry Pi 4, possibilitando a reprodução do áudio na placa de som Creative SB X-Fi.

Esta solução foi baseada em um artigo denominado “Multi-room audio over Wi-Fi with PulseAudio and Raspberry Pi(s)”. Diferentemente do que propõe o artigo, no entanto, a solução desenvolvida conta com um único servidor de áudio conectado a uma placa de som dedicada.

Instalando e Configurando o Pulseaudio na Raspberry Pi 4

A boa (melhor) notícia é que o Pulseaudio já vem instalado e configurado como gerenciador de áudio nas últimas versões do Raspberry Pi OS (antigo Raspbian), que é o sistema operacional oficial do fabricante. Baseado no Raspberry Pi OS, existe também o Twister OS, que é um sistema operacional mais completo para SBCs (Single Board Computers) e, em específico, para a Raspberry Pi 4. Como em meu projeto utilizarei a Raspberry Pi 4 também como central de mídia e de automação, o Twister OS foi o sistema operacional escolhido para desenvolver minhas aplicações, servindo também como servidor de som.

Uma vez que o Pulseaudio já vem instalado na imagem, basta configurá-lo como servidor de som.

Instalando o Controlador de Volume

Para facilitar a operação do Pulseaudio, recomendo utilizar o PulseAudio Volume Control (pavucontrol), que é uma aplicação que fornece uma interface visual de configuração e ajuste de volume para o Pulseaudio.

Após instalado, o PulseAudio Volume Control deve criar um atalho nos menus do sistema operacional (no Twister OS versão 1.9.6, está disponível em Menu → Multimedia → PulseAudio Volume Control). Para executá-lo através do Terminal Emulator:

Ao abrir o controlador, iremos primeiramente verificar a aba Configuration. Uma vez que a placa Creative SB X-Fi estiver conectada à Raspberry Pi, ela será exibida nesta tela juntamente com as outras interfaces de reprodução disponível localmente. As duas interfaces denominadas Built-in Audio (referentes às saídas de áudio analógico e do HDMI da Raspberry Pi) foram desligadas. Para a placa de som SB X-Fi Surround 5.1 Pro, foi selecionado o Profile Analog Surround 5.1 Output para indicar que utilizaremos a saída de som 5.1 da placa de som.

Servidor de Som

de som para cada canal do sistema 5.1:

Servidor de Som

Instalando o PulseAudio Preferences

Para facilitar a operação do Pulseaudio existe um módulo também em interface gŕafica que permite ajustar algumas configurações do Pulseaudio chamado PulseAudio Preferences (paprefs). Para instalá-lo:

Tal como o PulseAudio Volume Control, um ícone será criado no sistema operacional (no caso do Twister OS, em Menu → Settings → PulseAudio Preferences), mas que também pode ser executado pelo Terminal Emulator:

Na aba Network Access, selecione a opção “Make discoverable PulseAudio network sound devices available locally”.

Servidor de Som

A seguir, na aba Network Server, selecione as opções conforme imagem a seguir para permitir que o servidor de som (e a placa de som SB X-Fi 5.1) possam ser descobertos e exibidos em outros dispositivos:

Servidor de Som

Configurando a Entrada de Áudio

A entrada de áudio (LINE-IN) da placa SB X-Fi Pro é ligada ao toca discos (mais especificamente, ao pré-amplificador de phono, que é um equipamento necessário para qualquer toca-disco). No entanto, a entrada de áudio não é automaticamente ligada à saída de áudio da placa de som. Para tal, precisaremos utilizar um módulo do Pulseaudio chamado loopback. O Pulseaudio possui também alguns arquivos de configuração em formato de texto que definem os parâmetros do sistema. Para configurar o módulo loopback, atualizaremos estes arquivos.Estes arquivos de configuração do Pulseaudio estão, originalmente, na pasta /etc/pulse/. No entanto, é possível copiar estes arquivos para a pasta ~/.config/pulse, que é uma pasta específica ao usuário, e alterá-los (e, assim, manter os arquivos “originais” na pasta /etc/pulse/). Para tal, copie estes arquivos para a pasta ~/.config/pulse:

Estes são os arquivos de texto que definem as configurações do Pulseaudio. Após editá-los, é possível “reiniciar” o Pulseaudio com o comando:

Para incluir o módulo loopback no Pulseaudio, editaremos o arquivo ~/.config/pulse/default.pa, incluindo a seguinte linha ao final do arquivo:

Após a inclusão da linha, salvamento do arquivo e reinício do Pulseaudio, podemos verificar a inclusão do módulo loopback da entrada de áudio na aba Playback do PulseAudio Volume Controle:

Servidor de Som

Outros parâmetros do Pulseaudio

Um dos arquivos de configuração do Pulseaudio é o daemon.conf. Este arquivo possui variáveis que permitem configurar o Pulseaudio. Por padrão, estas variáveis estão comentadas (indicado pelo ponto-vírgula antes da variável 😉 e com os valores que são assumidos como padrão. A seguir, o conteúdo do arquivo daemon.conf que utilizo em meu sistema:

No meu caso, só alterei a variável enable-remixing = no para impedir que o Pulseaudio faça o upmix das fontes de áudio em 5.1 (sim, o Pulseaudio consegue transformar fontes de áudio estéreo em 5.1! Mas escolhi não fazer isso no servidor, uma vez que os clientes podem fazer o mesmo).

Reproduzindo Áudio no Servidor de Som

Podemos entender a Raspberry Pi 4 como nosso “servidor de reprodução de áudio”, ou seja, clientes se conectam nele e enviam seu áudio (pela ethernet ou WI-Fi) para ser reproduzido na placa Creative Soundblaster X-Fi Surround Pro 5.1. Os clientes podem ser outros computadores conectados à mesma rede do Servidor de Som ou, até mesmo, conteúdo que está sendo reproduzido diretamente na Raspberry Pi 4 (que também atuaria, nesse caso, como central de mídia).

Já adianto que os clientes podem ser computadores Linux (que também contará com o Pulseaudio) e, até mesmo, computadores com Windows!

Enviando Áudio de um PC com Linux

Para reproduzir o áudio de um PC que roda um sistema operacional baseado no Linux, é possível utilizar o próprio Pulseaudio para redirecionar o som da máquina para o Servidor de Som. Como base, utilizarei o Ubuntu 18.04 para ilustrar as etapas necessárias.

Configurando o Pulseaudio no PC Linux

A instalação e configuração do Pulseaudio no computador que enviará o áudio a ser reproduzido no Servidor de Som é muito semelhante à configuração que realizamos na Raspberry Pi 4. Primeiramente, é necessário instalar o Pulseaudio no sistema operacional, bem como o PulseAudio Volume Control (pavucontrol) e o PulseAudio Preferences (paprefs). Para tal, no Ubuntu 18.04 é possível executar exatamente os mesmos comandos executados para instalar estas aplicações.

A configuração é ainda mais fácil. Após a instalação das aplicações, execute o utilitário paprefs. Pela terminal, é possível executá-lo com:

A imagem a seguir exibe a tela do utilitário. Na aba Network Access, marque a primeira opção conforme a seguir:

A partir desse momento, se o computador estiver ligado à mesma rede (cabeada ou Wi-Fi) do Servidor de Som, a placa de som já será identificada como um dispositivo disponível a ser escolhido para reprodução remota. Para verificar, execute o pavucontrol:

A imagem a seguir exibe a aba Output Devices do PulseAudio Volume Control:

Servidor de Som

Observe que dois dispositivos denominados SB X-Fi Surround 5.1 Pro Analog Surround 5.1 on [email protected] apareceram nesta aba. Estes dois dispositivos correspondem, justamente, à placa de som do Servidor de Som. Por esta tela é possível controlar também o volume geral de cada placa de som (local ou remota).

Observação: ao lado de cada fonte de áudio há três ícones. O terceiro ícone, com um sinal de “correto” em cor verde, permite configurar aquela placa de som como fallback, uma espécie de “dispositivo padrão” para reprodução de áudio. Experimente utilizar os botões de controle de volume do teclado de seu computador: o volume do dispositivo configurado como fallback será alterado!

(Finalmente) Reproduzindo o Áudio do PC no Servidor de Som

Execute alguma mídia em seu computador (um vídeo do Youtube, ou do Peertube do LHC. Ainda no pavucontrol, vá na aba Playback. A imagem a seguir exibe uma fonte de áudio sendo reproduzida no computador e o áudio sendo reproduzido no Sistema de Som:

Observe que existe uma linha mostrando que uma aba do Google Chrome está reproduzindo áudio no dispositivo do Servidor de Som. Através desta caixa de seleção, é possível selecionar outras placas de som (por exemplo, do próprio computador) para reproduzir aquela fonte.

Enviando Áudio de um PC com Windows

Para os usuários do Windows, também é possível reproduzir o som do computador em nosso servidor de Som. Para tal, é possível usar o Scream – Virtual network sound card for Microsoft Windows. O Scream atua como uma placa de áudio virtual para o Windows e, ao selecionar esta placa de áudio, é possível enviar o som do computador ao Servidor de Som através de uma conexão ethernet ou Wi-Fi.

Configurando o Scream no PC Windows

Para configurar a placa de áudio virtual do Windows, basta utilizar o instalador fornecido na página de Releases (a versão de release atual, no momento da escrita deste artigo é a versão 3.6). Baixe o arquivo compactado (.zip), descompacte-o em alguma pasta do Windows. Ao entrar na pasta Install, haverá um arquivo denominado Install.bat. Clique com o botão direito do mouse sobre este arquivo e selecione a opção Executar como administrador.

Configurando o Scream no PC no Servidor de Som (Raspberry Pi 4)

Para utilizar o Scream para reproduzir o som de um computador Windows no Servidor de Som será necessário também configurá-lo na Raspberry Pi 4 para receber os pacotes via ethernet ou Wi-Fi e reproduzi-los no Sistema de Som.

Vamos, então, precisar clonar o repositório do projeto, compilar os Receivers e utilizar o Receiver específico para o Pulseaudio. Para tal, acesse novamente a Raspberry Pi 4 e, no terminal, execute:

Uma pasta será chamada scream será criada. Precisaremos, ainda, dar um checkout para a última versão de release (no caso, é a 3.6):

A seguir, precisaremos ir à pasta dos Receivers:

Agora, precisaremos compilar os Receivers do Scream. Antes de prosseguir, no entanto, precisaremos de uma biblioteca do Pulseaudio para tal. Instale-a com o seguinte comando:

Agora, siga os seguintes passos para buildar as aplicações referentes aos Receivers:

Após o processo ser finalizado com sucesso, observe que uma aplicação denominada scream será criada na pasta. É esta a aplicação que será o Receiver no Servidor de Som. Podemos executá-la pelo terminal (e o sistema já vai estar apto a receber o som do Windows), mas como gostaríamos que esta configuração seja iniciada juntamente à Raspberry Pi 4, irei configurá-la para ser iniciada junto ao sistema. Há diversas formas de se fazer isso (como um serviço do sistema, por exemplo). Por simplicidade, utilizarei uma configuração do sistema operacional (estou utilizando o Twister OS, que é baseado no Raspberry Pi OS) que permite fazer esta configuração utilizando a interface gráfica.

Inicializando o Receiver Scream junto com o Servidor de Som

O sistema operacional apresenta, normalmente, uma configuração que permite que aplicações sejam inicializadas junto ao sistema. No caso do Twister OS, esta configuração está em Settings → Session and Startup, conforme a figura a seguir:

A seguinte tela será aberta. Navegue até a aba Application Autostart e clique no botão Add, no canto inferior esquerdo:

Agora, basta preencher um nome e uma descrição relacionada ao Receiver Scream nos campos Name e Description e, no campo Command inserir o comando para a aplicação que compilamos anteriormente. Em meu sistema, o caminho completo da pasta que tem aplicação compilada é /home/pi/scream/Receivers/unix/build/scream.

Clicando-se em Close, o sistema operacional tentará sempre executar o Receiver Scream junto à inicialização do sistema.

Enviando Áudio via Bluetooth ao Servidor de Som

A Raspberry Pi 4 – assim como a Raspberry Pi Zero W e Raspberry Pi 3/B+ – possuem suporte nativo ao Bluetooth. Desta forma, outra forma de utilização de nosso Servidor de Som é transformá-lo em uma caixa de som Bluetooth. Dispositivos como Smartphones e Computadores poderiam, então, se conectar ao Servidor de Som por Bluetooth e reproduzir o som diretamente no sistema de som, independente de estarem conectados por ethernet ou Wi-Fi. Esta solução também apresenta a vantagem de ser totalmente independente em relação ao sistema operacional da fonte de áudio. 

Para tal, precisaremos configurar esta funcionalidade em nosso Servidor de Som, ou seja, diretamente na Raspberry Pi 4. Esta solução foi baseada em um post no fórum oficial da Raspberry Pi.

Configurando o Bluetooth no Servidor de Som

Primeiramente, é necessário verificar se não há outros utilitários do sistema operacional já instalados que interagem com o Bluetooth. Em caso positivo, é necessário configurá-los ou desativá-los para seguir as etapas presentes neste tutorial.

No Twister OS, eu desabilitei todos os “plugins” relacionados ao Bluetooth. Clicando-se com o botão direito do mouse no ícone do Bluetooth próximo ao relógio e selecionando, a seguir, a opção Plugins:

Na tela que se abre, desative todos os plugins relacionados ao Bluetooth:

Após desativá-los, basta sair desta tela. Ainda no mesmo ícone do Bluetooth, selecionaremos agora a opção Adapters. Na tela que se abre, selecionamos a opção Always visible para que o Servidor de Som possa sempre ser encontrado como um dispositivo bluetooth:

Agora, iremos configurar o Bluetooth da Raspberry Pi 4 para funcionar como uma caixa de som Bluetooth. Primeiramente, precisamos instalar um módulo do Pulseaudio que o permite associar-se ao Bluetooth:

A seguir, precisamos adicionar o usuário ao grupo bluetooth:

A seguir, editaremos o arquivo de configuração da funcionalidade do Bluetooth na Raspberry Pi 4 para que ela possa ser reconhecida como um dispositivo de reprodução de áudio:

Edite este arquivo acrescentando (ou descomentando e ajustando o valor) as seguintes linhas:

A partir deste momento, ao reiniciar Raspberry Pi 4 já teríamos o serviço configurado. No entanto, não conseguiríamos conectar qualquer dispositivo Bluetooth ao Servidor de Som, uma vez que são dispositivos “não confiáveis”. Assim, instalaremos um utilitário para que os dispositivos consigam se conectar de forma “transparente” à Raspberry Pi 4:

Criaremos, a seguir, um serviço para que este utilitário torne-se um serviço do sistema. Para tal, crie/edite o seguinte arquivo de texto:

Adicionando o seguinte conteúdo:

Agora, precisaremos que este serviço seja iniciado junto à Raspberry Pi 4:

Por fim, reinicie a Raspberry Pi 4! As alterações que fizemos deverão ser aplicadas e, ao procurar por dispositivos Bluetooth em seus celulares/computadores, nosso Servidor de Som deverá aparecer como raspberrypi. Conectando-se a este dispositivo, é possível reproduzir o áudio dos dispositivos no Sistema de Som!

Dicas e Observações Gerais

Configurados o Pulseaudio no computador Linux e no Windows (através do Scream), podemos verificar estas fontes de som no Servidor de Som (Raspberry Pi 4). Ao executar o pavucontrol na Raspberry Pi 4, teremos:

Observe na aba Playback que temos 4 entradas de fontes de áudio:

  1. System Sounds: representa o som da própria Raspberry Pi 4;
  2. Scream: Audio: representa o Receiver do Scream, ou seja, o áudio recebido do computador que executa o Windows;
  3. pulseaudio: SB X-Fi Surround 5.1 Pro Analog Surround 5.1 for [email protected]: que representa o áudio vindo do computador que executa o Linux (e envia o áudio pelo Pulseaudio ao Servidor de Som);
  4. pulseaudio: SB X-Fi Surround 5.1 Pro Analog Surround 5.1 for [email protected]: esta entrada duplicada representa exatamente a mesma entrada anterior. Ela aparece duplicada pois é “descoberta” automaticamente pela rede e, como temos IPv4 e IPv6, ambos os endereços são exibidos.

O volume destas entradas podem ser controlados pelo computador de origem e não precisa ser alterado no Servidor de Som. Por exemplo, no computador Linux que possui o Pulseaudio e o pavucontrol, ao aumentar ou diminuir o volume na aba Output Devices, esta alteração será refletida na entrada correspondente no pavucontrol da Raspberry Pi 4.

Para controlar o volume geral do sistema de som pela Raspberry Pi 4, utilize a aba Output Devices, onde aparecerá o volume da placa de som SB X-Fi Surround 5.1 Pro Analog Surround 5.1!

Da mesma forma que no computador que envia o som ao Servidor de Som, recomenda-se que a placa de som SB X-Fi Surround 5.1 Pro Analog Surround 5.1 seja o dispositivo configurado como fallback na Raspberry Pi 4:

Reprodução de Áudio 5.1 em Todas as Caixas do Sistema de Som

Mas afinal, como reproduzir o som em 5.1?

Muitas fontes de áudio fornecem áudio em 5.1. O Netflix, por exemplo, possui esta opção para muitos dos filmes em catálogo. O mesmo se pode dizer de DVDs, vídeos do Youtube e outros arquivos disponibilizados na internet. Neste caso, ao reproduzir estas fontes em computadores que enviam o áudio para o Servidor de Som, estas fontes já serão reproduzidas em todas as caixas de som de acordo com a masterização original da mídia.

Mas e se a minha fonte de áudio for estéro (2.0)? Neste caso, a escolha “fica a cargo do cliente”. O Pulseaudio é capaz de transformar fontes de áudio diferentes de 5.1 em fontes 5.1. Por exemplo, se a fonte de áudio é estéreo (2.0), ela pode ser codificada em 5.1 para ser reproduzida no Sistema de Som. Este processo se chama upstream ou upmix e é habilitado por padrão no Pulseaudio.

De modo a prover certa versatilidade nas configurações, nós desabilitamos esta funcionalidade na Raspberry Pi 4 (no arquivo ~/.config/pulse/daemon.conf). Ou seja, nosso servidor nunca fará upstream. Isto não quer dizer que o cliente não possa fazer e mandar o áudio já em 5.1 para o Servidor de Som.

Configurando o Upstream no Computador Linux

O mesmo arquivo de configuração do Pulseaudio no computador Linux que envia o áudio ao Servidor de Som (~/.config/pulse/daemon.conf) contém, no mesmo trecho, as seguintes configurações:

Com estas configurações, a opção enable-remixing = yes permite o Pulseaudio a fazer o upstream de fontes de áudio estéreo para ser reproduzida em todas as caixas de som. Além desta opção, habilitei também a opção enable-lfe-remixing = yes que permite enviar o áudio à unidade de graves (subwoofer) e a opção lfe-crossover-freq = 150, que fixa a frequência de corte (em Hz) para o áudio enviado à unidade de graves.

Preciso de uma Raspberry Pi 4 para o Servidor de Som? 

Muitos devem estar se perguntando se é possível utilizar outras versões da Raspberry Pi (ou até mesmo outros Single Boards Computers) para o Servidor de Som. A resposta é (geralmente) SIM!

Particularmente, eu testei esta funcionalidade com a versão B+ e 3B+ da Raspberry Pi. É claro que dependendo da versão utilizada, menos recursos estarão disponíveis ao sistema operacional mas, em geral, posso afirmar que o funcionamento do Servidor de Som foi validado nestas outras duas placas. No entanto, em linhas gerais é possível utilizar qualquer sistema computacional que consiga executar o Linux como um Servidor de Som baseado no Pulseaudio!

Conclusões

As possibilidades de utilização de um Servidor de Som baseado na Raspberry Pi + Pulseaudio são quase que ilimitadas. Eu, Tiago, ainda estou aprendendo diariamente quais as possibilidades de expandir as funcionalidades do sistema e entendendo melhor o funcionamento do Pulseaudio. O objetivo deste artigo é mesmo de ser um guia para aqueles que sentiram já a necessidade de um sistema de som baseado em Bluetooth e/ou via rede doméstica (seja por cabo ethernet ou via Wi-Fi). Também não é necessário possuir uma placa de som dedicada para utilizar o Pulseaudio, lembre-se que é possível utilizar a própria saída de som da Raspberry Pi conectada a uma caixa de som com entrada P2/RCA para ter um sistema de som completo 😉

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Receba os melhores conteúdos sobre sistemas eletrônicos embarcados, dicas, tutoriais e promoções.

Linux Embarcado » Servidor de Som: Raspberry Pi + Home Theater DIY
Comentários:
Notificações
Notificar
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Talvez você goste:

Nenhum resultado encontrado.

Séries

Menu

WEBINAR

Projeto de Hadware: ASIC e FPGA

DATA: 24/02 às 15h