Primeiros passos com o LTSpice XVII

LTspice® é um software de simulação SPICE com alto desempenho, da empresa Analog Devices. Possui esquemático, visualizador de formas de onda com aprimoramentos e modelos para facilitar a simulação de circuitos analógicos.

 

O LTSpice é gratuito e pode ser baixado neste link. Links são referências dinâmicas e com o passar do tempo pode ser alterado. Também a versão atual é:



Você pode baixá-lo para a plataforma Windows ou Mac. Ao baixar o LTspice estão inclusos os macromodelos para a maioria dos reguladores de comutação da Analog Devices, amplificadores e uma biblioteca de dispositivos para simulação geral de circuitos.

 

Objetivo

 

Meu objetivo é fazer uma série de artigos do LTSpice para que as pessoas interessadas conheçam esse software fantástico, e gratuito. Com a explosão da Internet das Coisas (IoT), vejo muitas pessoas fazendo aplicações funcionarem, porém, lhes faltam conhecimento básico de eletrônica. Não estou colocando isso de forma negativa, apenas destacando um aspecto. A modernidade trouxe modularidade e um nível de abstração que deixa muito curioso incomodado, então, você poderá simular circuitos, analisando os sinais e suas formas de onda, que é algo muito interessante, e acredito que tem um público que deseja ver isso mais de perto.

 

Sinceramente a eletrônica não é fácil para a maioria das pessoas, mas, acredito que tem um jeito diferenciado e eficaz, de passar informação que transforme em conhecimento. Eu sempre fiquei pensando numa forma de ver as coisas de modo diferente, e isso tem me ajuda e poderá lhe ajudar também, portanto, não se trata de um curso intensivo de eletrônica, mas, simularemos alguns circuitos e analisaremos. Nesse ínterim quem quiser estudar de maneira autodidática, o LTSpice será uma ferramenta poderosa para você simular e analisar, consolidando o aprendizado.

 

Os primeiros artigos da série ficam longos porque alguns detalhes da ferramenta são explicados, mas, conforme avançaremos o foco será mais na análise e não como criar o circuito.

 

Método

 

Não vou explicar antecipadamente todos os recursos do LTSpice. Veremos os recursos e como usar esse software construindo circuitos, parametrizando-os e analisando-os.

 

Aplicação

 

Nosso primeiro circuito será um Amplificador Operacional na configuração inversor de tensão, conforme mostrado a seguir. Vamos construí-lo passo a passo.

 

O pulo do gato dessa aplicação é como o “Terra Virtual” é criado na entrada inversora do Amplificador Operacional. A maioria usa a fórmula dessa configuração, que é VOUT = -(R2/R1)*VIN, e basta. Para os que analisam com uma certa profundidade vão desmistificar esse lance de “Terra Virtual”.

 

Figura 1 – Amplificador Operacional Inversor de Tensão.

 

Crie um novo esquemático clicando no primeiro botão, da esquerda, na barra de ferramentas.

 

Figura 2 – New Schematic.

A seguinte janela será mostrada, que é a região onde criaremos o esquemático. Nesse momento o nome do arquivo é Draft1.asc e depois vamos salvá-lo com outro nome mais adequado.

 

Figura 3 – Draft.

 

Vamos inserir o primeiro componente, o Amplificador Operacional, clicando no botão [Component] na barra de ferramentas, conforme mostrado a seguir.

 


Figura 4 – Botão [Component].

 

A janela [Select Component Symbol] será mostrada. No campo ao lado do símbolo do Amplificador Operacional digite [UniversalOpAmp2] e observe que esse componente será destacado, então, clique no botão [OK] para levá-lo no esquemático.

 

Figura 5 – Selecionando um componente específico (UniversalOpAmp2).

Posicione o Amplificador Operacional no centro do esquemático. Pressione a tecla [ESC] ou o botão direito do mouse para tirar a seleção de inserção de outros Amplificadores Operacionais. Aqui usaremos somente um Amplificador Operacional.

 

Figura 6 – Posicionando o Amplificador Operacional no esquemático.

Vamos inserir os resistores, clicando no botão [Resistor] na barra de ferramentas, conforme mostrado a seguir.

 

Figura 7 – Botão [Resistor].

Posicione o primeiro resistor conforme mostrado a seguir. Para rotacionar o componente selecionado, pressione as teclas [CTRL]+[R]. Mantenha a seleção do resistor ativa e posicione o segundo resistor. Para rotacionar use as teclas de atalho [CTRL]+[R]. Para cancelar a seleção de resistor, pressione a tecla [ESC] ou clique no botão direito do mouse, conforme já explicado em outra seleção.

 

Figura 8 – Posicionando os resistores no esquemático.

Vamos inserir as fontes de tensão, clicando no botão [Component] na barra de ferramentas. A janela [Select Component Symbol] será mostrada. No campo ao lado do símbolo da Fonte de Tensão digite [voltage] e observe que esse componente será destacado, então, clique no botão [OK] para levá-lo no esquemático.

 

Figura 9 - Selecionando um componente específico (voltage).

Posicione as fontes de tensão conforme mostrado a seguir. Para rotacionar o componente selecionado, pressione as teclas [CTRL]+[R]. Mantenha a seleção do componente ativa e posicione os componentes no esquemático. Para rotacionar use as teclas de atalho [CTRL]+[R]. Para cancelar a seleção do componente, pressione a tecla [ESC] ou clique no botão direito do mouse.

 

Figura 10 - Posicionando as fontes de tensão no esquemático.

Vamos inserir os terminais de ground, que é o referencial das diferentes de potenciais do circuito, clicando no botão [Ground] na barra de ferramentas, conforme mostrado a seguir.

 

Figura 11 – Botão [Ground].

Posicione os terminais de ground conforme mostrado a seguir. Para cancelar a seleção do terminal ground, pressione a tecla [ESC] ou clique no botão direito do mouse.

Figura 12 - Posicionando os terminais de ground no esquemático.

Vamos interligar os elementos do circuito, clicando no botão [Wire] na barra de ferramentas, conforme mostrado a seguir.

 

Figura 13 - Botão [Wire].

Clique nas extremidades dos elementos e una-os conforme mostrado a seguir. Para cancelar a seleção do fio (wire), pressione a tecla [ESC] ou clique no botão direito do mouse.

 

Figura 14 – Interligando os componentes no esquemático usando o fio (wire).

Vamos rotular algumas terminações/fios, clicando no botão [Label Net] na barra de ferramentas, conforme mostrado a seguir.

Figura 15 – Botão [Label Net].



A janela [Net Name] será mostrada. Para o terminal de saída do circuito nomeie e selecione o tipo de porta conforme a figura a seguir, e clique no botão [OK].

Figura 16: Rótulo de saída.

Posicione o rótulo [OUT] no terminal de saída do Amplificador Operacional. Se necessário posicione próximo e use o fio (wire) para conectá-lo.

 

Figura 17 – Posicionando o rótulo [OUT].

Repita o procedimento de criar rótulo, então, rotule outras terminações VCC e VDD, conforme mostrado a seguir.

Figura 18 – Posicionando os rótulos [VCC] e [VDD].



Repita novamente o procedimento de criar rótulo. A janela [Net Name] será mostrada. Para o terminal de entrada inversora do Amplificador Operacional nomeie e selecione o tipo de porta conforme a figura a seguir, e clique no botão [OK].

Figura 19 – Posicionando o rótulo [TerraVirtual].

Posicione o rótulo [TerraVirtual] no fio que conecta o terminal de entrada inversora do Amplificador Operacional, conforme mostrado a seguir.

Figura 20 – Posicionando o rótulo [TerraVirtual].



Para inserir valor de resistência, clique com o botão direito do mouse sobre o resistor. A janela [Resistor – R1] será mostrada, então, no campo [Resistance] insira o valor da resistência, conforme mostrado.

 

Figura 21 – Inserindo valor de resistência.

Repita o procedimento para o resistor R2 de 20 kOhms.

Para inserir valor de tensão, clique com o botão direito do mouse sobre a fonte. A janela [Voltage Source – V1] será mostrada, então, no campo [DC value] insira o valor de tensão, conforme mostrado.

Figura 22 – Inserindo valor de tensão.



Repita o procedimento para as fontes V2 e V3, ambas de 9 Volts.

Basicamente a criação do circuito foi concluída.

Figura 23 – Esquemático finalizado.

Vamos salvar o esquemático. No menu [File] selecione a opção [ Save as], conforme mostrado. Nomeie conforme desejar, nesse caso eu escolhi “Amplificador Operacional Inversor”.

Figura 24 – Salvando o esquemático.

Vamos simular o circuito, clicando no botão [Run] na barra de ferramentas.

Figura 25 – Simulando o circuito.

 

A janela [Edit Simulation Command] será mostrada. Selecione a aba [DC op pnt], conforme mostrado. Depois clique no botão [OK].

 

Figura 26 – Simulação Ponto de Operação DC.

 

O relatório dos pontos de operação de corrente contínua (DC) do circuito, serão mostrados.

 

Figura 27 – O resultado da simulação de Ponto de Operação DC.



O PULO DO GATO

 

Analisando o relatório da figura 26 podemos concluir que tudo funcionou conforme esperado. A tensão de saída é -2,0 Volts. Também podemos constatar que o potencial no “Terra Virtual” é realmente próximo de zero Volts.

 

Montei um circuito simples para auxiliar nessa análise, ver a seguir. Observe que devido os potenciais das fontes e os valores das resistências (existe uma certa proporcionalidade), se medirmos a diferença de potencial entre R1 e R2, com relação ao GND (ground), o valor será zero, isto é, um “Terra Virtual” criado de forma indireta, então, você já deve ter se ligado como esse lance funciona, mas, mesmo assim, vou concluir o raciocínio.

 

Figura 28 – Circuito auxiliar com “Terra Virtual”.



As entradas de um Amplificador Operacional tem alta impedância e se ligarmos esse componente sem realimentação ele sempre analisará qual entrada tem maior potencial, então, sua saída satura conforme a entrada que tem maior potencial. Por exemplo, se temos zero Volt na entrada não inversora e 10 milivolts na entrada inversora, idealmente sua saída satura, nesse caso, para -VDD (9 Volts).

 

Em nosso caso, como temos realimentação para a entrada inversora, o potencial de saída que levará ao ponto de equilíbrio das entradas, será um potencial próximo de zero, portanto, com um potencial de saída de -2 volts teremos o “Terra Virtual”, conforme o circuito auxiliar nos mostrou.

 

É uma análise de certa forma simples, nada complexo, mas, são poucos que enxergam o que foi explicado nesse artigo, portanto, a proposta foi mostrar um pouco sobre o LTSpice e o conceito de “Terra Virtual”.

Outros artigos da série

IoT e LTSpice, uma boa combinação >>
NEWSLETTER

Receba os melhores conteúdos sobre sistemas eletrônicos embarcados, dicas, tutoriais e promoções.

Obrigado! Sua inscrição foi um sucesso.

Ops, algo deu errado. Por favor tente novamente.

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Ismael Lopes da Silva
Nasci em 1969 na cidade de Campinas, São Paulo. Sou apaixonado por eletrônica, programação e outros assuntos relacionados. Sou técnico em eletrônica e engenheiro eletricista com ênfase em eletrônica. Durante quinze anos trabalhei como técnico de campo, manutenção industrial, e depois me tornei gestor nessa área. Sempre mantive a chama acesa porque meu hobby é estudar eletrônica, LTSpice, MCU (Arduino, STM32 e outros). Tento acompanhar a evolução tecnológica, que é um desafio. Com o EMBARCADOS espero continuar aprendendo e também compartilharei informações.

6
Deixe um comentário

avatar
 
3 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
Ismael Lopes da SilvaAlexandre Fernandes dos AnjosJosafá OrricoBreno Cruz Recent comment authors
  Notificações  
recentes antigos mais votados
Notificar
Alexandre Fernandes dos Anjos
Membro

Show de bola Ismael, excelente material! LTSpice é uma poderosa ferramenta e não podia ficar de fora do portal Embarcados. Estou no aguardo dos próximos capítulos. Abraço!

Josafá Orrico
Visitante
Josafá Orrico

Parabéns. Essa série de artigos era o que faltava para compreender e usar o LTSpice.

Breno Cruz
Membro
Breno Cruz

Ismael, muito bom o artigo, parabéns! Eu utilizo o LTspice IV no Linux Ubuntu, 19.10 com Wine. Funciona perfeitamente. Não vejo a hora de ver a continuação dos artigos! Grande abraço.