Conheça os ganhadores do Prêmio Tecnologias de Impacto - Qualcomm

O Prêmio Tecnologias de Impacto, promovido pela Qualcomm e com o apoio institucional do INPI, CNPq e CNI, selecionou 10 projetos brasileiros inovadores, dentre os 200 inscritos para esse programa, voltados para o desenvolvimento da Internet das Coisas. Os vencedores foram anunciados durante um evento na quarta-feira dia 22 de Novembro em São Paulo. Eles ganharam uma semana de imersão em laboratórios e centros de inovação na Califórnia. A viagem será organizada pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL) e pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

 

Abaixo estão os ganhadores do prêmio. Foram premiados:

  • ALTAVE - Ismael Jorge Costa Neto 
  • LYSA: CÃO GUIA ROBÔ - Neide Sellin
  • TACTILE GLOVE - Marcelo Fernandes
  • E-LASCTIC - Fernanda S. Teles
  • OXIOT - Edson Renel da Costa Filho
  • PIPELINE LEAK DETECTION - André Palma
  • ONEBLUE MBM - Marcelo Teixeira
  • MONITORAMENTO INTELIGENTE DE PRAGAS AGRÍCOLAS - Andrei Grespan
  • CONTEXTNET - Markus Engler
  • REDUÇÃO DE INFECÇÕES HOSPITALARES - Elyr Teixeira

 

 

Veja a descrição abaixo dos projetos ganhadores e os seus responsáveis.

 

ALTAVE

Ismael Jorge Costa Neto

 

A ALTAVE visa resolver dois problemas: como levar conectividade para áreas remotas e como monitorar de forma persistente grandes áreas. Respondemos essas questões com torres flexíveis em forma de balões cativos, ou seja, balões presos no solo por um cabo. Eles são capazes de ficar a até 300 metros do solo com rádios, antenas e câmeras e depois serem deslocados para outra região sem nenhuma grande complexidade. Rádios de IoT, como LoRa e Xbee, foram testados no balão e o uso deles conseguiu ajudar produtores rurais para conexão de máquinas a distâncias muito superiores, pelas quais eles estão costumados a operar com os rádios em solo. A elevada altura que o balão atinge contribui para que os dispositivos consigam visada direta para o balão e para os rádios embarcados nele.

 

LYSA: CÃO GUIA ROBÔ

Neide Sellin

 

Batizado de Lysa, o robô está em fase de suas operações comerciais. Em todo o Brasil existem cerca de 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual severa e a Vixsystem já tem uma lista de espera de 200 nomes interessados em utilizar o produto. O robô Lysa tem funções semelhantes às de um cão-guia convencional. É dotado de dois motores e cinco sensores que avisam o deficiente visual, por meio de mensagens de voz gravadas, quando há no percurso buracos, obstáculos e riscos de colisões em altura. A bateria é recarregável e dura 8 horas em trabalho. O robô pesa 2,5 kg. Para dar maior autonomia, está sendo desenvolvida a navegação por meio de GPS, onde o usuário poderá informar sua rota e a Lysa levará a estes espaços. Além disso, a próxima fase será o reconhecimento de imagens, identificando o objeto e falando qual imagem foi encontrada pelo Robô com a utilização de inteligência artificial. Dignidade e autonomia, é uma nova forma de enxergar o mundo, e esta é a proposta da Lysa.

 

TACTILE GLOVE

Marcelo Fernandes

 

O desenvolvimento de novas plataformas embarcadas para o controle e gerenciamento de dispositivos táteis vem sendo um alvo importante nas pesquisas atuais. Existem muitas conjecturas e suposições associadas à utilização desses dispositivos. Todavia, é consenso entre a maioria dos pesquisadores que, nos próximos anos, a internet tátil, com seus dispositivos, será utilizada em várias aplicações comerciais e residenciais. Nesse contexto, observa-se um campo aberto para novas ideias, empresas e negócios, já que os padrões ainda estão se organizando. Assim, é neste ambiente que este trabalho se inseriu, com o objetivo de desenvolver uma plataforma embarcada de gerenciamento para um dispositivo tátil do tipo luva (Tactile Glove Device), voltado para interação com objetos virtuais e também objetos reais remotos, sendo uma plataforma para testes de novas soluções para internet tátil. Além de propor uma nova plataforma embarcada, este projeto também desenvolveu um protótipo de um dispositivo tátil do tipo luva para seus testes e de outras plataformas e algoritmos que poderão ser adicionados. O protótipo poderá também ser utilizado como referência para cursos de graduação e pós-graduação voltados para a área de sistemas embarcados em internet tátil. Finalmente, o projeto proposto poderá validar e medir os limites e restrições associados a sistemas embarcados no gerenciamento de sistemas reais para internet tátil.

 

E-LASTIC

Fernanda S. Teles

 

O E-lastic consiste em uma tecnologia desenvolvida por alunos e ex-alunos da UnB com enfoque em saúde. O equipamento é capaz de medir a carga de qualquer implemento elástico durante a prática de exercícios físicos em qualquer lugar. Todas as informações do treino são enviadas para um app de celular e geram gráficos que permitem o acompanhamento evolutivo. Além de corrigir o padrão de movimento, o produto pode ser usado com pacientes em reabilitação articular e até com atletas para aumento de performance esportiva.

 

OXIOT

Edson Renel da Costa Filho

 

A Oxiot monitora consumo de oxigênio medicinal por paciente em Home Care e Hospitais via Internet das Coisas. A tecnologia consiste em um conjunto de hardware e software que digitaliza as informações dos cilindros de oxigênio, as processa, e as envia para a plataforma online da Oxiot. Dentre os benefícios, destacam-se a previsibilidade de troca do cilindro, a monitoração clínica remota, a segurança do paciente, a auditoria de consumo em tempo real para as fontes pagadoras e o levantamento de dados para pesquisa de novos tratamentos respiratórios. Deste modo, a missão da Oxiot é "salvar vidas facilitando a cadeia de oxigenoterapia". No futuro, a Oxiot pretende aplicar a solução para além da saúde, escalando para uso industrial.

 

PIPELINE LEAK DETECTION

André Palma

 

Desde 1986, apenas nos EUA, ocorreram mais de 3.000 incidentes envolvendo dutos de óleo e gás, ocasionando mais de 500 mortes, milhares de acidentes e mais de US$ 7 trilhões em prejuízos. A tecnologia patenteada da Asel-Tech, desenvolvida em conjunto com o laboratório de mecânica de fluídos da USP-São Carlos, é capaz de detectar e localizar vazamentos em transporte de fluídos em questão de segundos. A solução monitora as características de operação padrão das ondas de pressão. Quando de um vazamento, os sensores capturam as diferentes ondas de pressão causadas pelo mesmo, que se propagam pelos dutos. Os sensores são instalados a cada 50 km. Através do modelo de processamento neural e técnicas de Inteligência Artificial, a solução é capaz de localizar o vazamento com grande eficácia e acurácia. A solução utiliza ainda tecnologia IoT para transmissão de dados entre os sensores e a sala de controle. A detecção ocorre em apenas alguns segundos, uma vez que a solução realiza 100 leituras/segundo. Estando presentes as características de um vazamento, um alarme é enviado para a sala de controle, contendo todas as informações disponíveis: localização em coordenadas geográficas, volume vazado e taxa de vazamento, possibilitando uma tomada de ação imediata, reduzindo, assim, consideravelmente os possíveis danos ambientais, sociais e financeiros. A tecnologia também pode ser utilizada com a finalidade de detectar roubos em tubulações de Óleo e Gás.

 

ONEBLUE MBM

Marcelo Teixeira

 

Desenvolvimento de um aparelho móvel de exames sanguíneos não invasivos. Para fornecer exames instantâneos de qualquer lugar que possua algum tipo de conexão com a internet. Permitindo que médicos possam ter acesso a dados biomédicos por telemetria.

 

MONITORAMENTO INTELIGENTE DE PRAGAS AGRÍCOLAS

Andrei Grespan

 

O manejo integrado de pragas (MIP) é um sistema de controle de pragas que busca manter o equilíbrio das populações de organismos praga pelo uso integrado de métodos de controle selecionados com base em parâmetros técnicos, econômicos, ecológicos e sociológicos. O processo de MIP está estruturado em três etapas: (1) diagnose, a identificação das pragas; (2) tomada de decisão, quando é avaliada a decisão do uso de métodos artificiais de controle (químico, biológico ou metodológico), utilizando dados da distribuição e evolução das populações de pragas; e (3) seleção da ação de controle. A solução está inserida nas duas primeiras etapas do MIP, atuando no processo de identificação e monitoramento espacial e temporal de pragas e fornecendo as informações para a seleção mais adequada para a ação de controle das pragas.

 

Atualmente, o monitoramento de pragas ainda é feito com o envio de pessoas ao campo, seja para fazer a identificação e contagem manual na cultura, ou para a identificação e contagem de indivíduos capturados em armadilhas convencionais.

 

Independente do método utilizado atualmente, a necessidade de envio de pessoal ao campo torna o processo mais lento, sendo que as ações corretivas requerem determinações precisas e rápidas dos níveis populacionais de pragas presentes nas lavouras.

 

O que é proposto é dar um grande salto tecnológico no processo de monitoramento de pragas, desenvolvendo uma solução capaz de monitorar diariamente as populações, sem a necessidade de mão de obra no campo e integrando os dados para formar uma rede de monitoramento em nível regional e nacional, atuando nas principais culturas afetadas por pragas. O monitoramento será feito com estações (equipamentos) distribuídas em campo, utilizando visão computacional e computação cognitiva no processo de classificação de pragas e tecnologia de comunicação LPWAN (Low Power Wide Area Network) estruturada em conceitos de internet das coisas (IoT) para a viabilização operacional do sistema. Com o uso de sensores microclimáticos embarcados no equipamento, a solução será capaz de predizer a ocorrência de novos focos de infestações. E por meio de um dispositivo móvel, o produtor poderá acessar relatórios diários e receber alertas de ações com informações precisas de onde e quando agir (segundo levantamento do Sebrae de 2017, mais de 95% dos produtores rurais já utilizam dispositivos móveis como smartphones).

 

CONTEXTNET

Markus Engler

 

Um middleware escalável para IoT que usa smartphones como "mobile hubs" para descoberta, conectividade e stream processing de dados de/para sensores e atuadores em coisas inteligentes (Smart Objects) simples e apenas com uma interface WPAN Bluetooth Smart, para efeito de controle remoto, rastreamento e data analytics de coisas e pessoas. Através da descoberta dinâmica de Smart Objects e da capacidade de stream processing (Complex Event Processing) nos smartphones, esse middleware permite criar aplicações IoT que lidem com smart objects móveis e que realizem boa parte do processamento nas bordas da rede IoT (Edge Computing). O ContextNet para IoT já existe desde 2014, e de lá para cá já foi usado para ensino, pesquisa e inúmeros protótipos de aplicação IoT móvel.

 

REDUÇÃO DE INFECÇÕES HOSPITALARES

Elyr Teixeira

 

São monitoradas as mãos de profissionais de saúde se estão higienizadas para evitar infecções hospitalares. No Brasil, infecção hospitalar mata em torno de 100 mil pessoas/ano. E a principal via de contaminação são as mãos dos profissionais de saúde por não estarem higienizadas.

 

Foi desenvolvida uma solução composta de um wearable device (um crachá eletrônico), um sensor de presença que fica instalado na cabeceira do leito, um sensor de uso que fica instalado dentro de dosadores eletrônicos de álcool em gel e um software web. A combinação de uso desses elementos permite o monitoramento e controle de quem, quando, e onde foi realizada uma higienização das mãos. Tudo de forma automática, em tempo real, rápida, e por IoT.

 

Para referência, visite o site do Prêmio Tecnologias de Impacto - Qualcomm.

Apaixonado por sistemas digitais e circuitos eletrônicos, ja contabilizo 16 anos trabalhando com desenvolvimento de produtos eletrônicos. Formado na USP Sao Carlos, com mestrado em Engenharia Elétrica no Rochester Institute of Technology pelo CsF, atualmente lidero boa parte das operações do Embarcados, buscando levar conhecimento de sistemas eletrônicos para o Brasil. Experimentar o mundo das startups nos EUA foi transformador. La fui cofundador de uma startup de tecnologia chamada Una, sendo acelerado e incubado por um programa especial de Startups no RIT. Ao final, recebemos um prêmio de melhor startup do programa. No Laboratório Hacker de Campinas sou um dos entusiastas de novas tecnologias e apoio iniciativas da comunidade. Tambem participo de atividades comunitarias e sou um dos responsáveis pela Plataforma Ituiutaba Lixo Zero, onde escrevo regularmente artigos sobre redução de resíduos. Sou sonhador mesmo e quero acender a luz 😉

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notificar
avatar
wpDiscuz