Ponte H com bootstrap para acionamento de motores DC

ponte h

Introdução

Neste artigo vamos abordar alguns tópicos sobre acionamento de motores DC utilizando ponte H. Parte deste artigo, bem como o circuito e códigos exemplo, foram desenvolvidos pelos alunos Luigi, Luiz e Cristiano da Unifei que estão também com um projeto de desenvolvimento de uma placa dedicada utilizando drivers de acionamento em topologia bootstrap. Eles colocaram o projeto no cartase em busca de financiamento para dar continuidade nesta ideia. Vale a pena conferir os detalhes do projeto.

Ponte H

A ponte H é um arranjo, em forma de “H”, de chaves que serve para inverter a polaridade de uma carga sem a necessidade de utilizar uma fonte simétrica. Tal arranjo é muito utilizado para acionamento de motores DC de modo bastante simples.

H bridge
Figura 1 – Ponte H: Arranjo de chaves em H

O funcionamento da ponte H é bastante simples: fechando-se as chaves S1 e S4 tem-se o motor rodando em um sentido. Já com as chaves S3 e S2 acionadas, o sentido do fluxo da corrente sobre o motor é invertido, fazendo com que a rotação do motor também se inverta. Estes são os acionamentos convencionais.

Além destes dois acionamentos, há alguns estados bastante úteis: ligando-se S1 e S3 ou S2 e S4 pode-se gerar o efeito de freio motor, que permite reduzir o tempo de frenagem do motor sem necessidade de utilização de freios mecânicos convencionais.

Dentre todas as combinações de acionamentos, algumas não devem ser efetuadas, mais especificamente o acionamento das chaves S1 e S2, S3 e S4 ou até as quatro chaves ao mesmo tempo. Nestes acionamentos ocorre o efeito de shoot-trough, que na maioria dos casos leva o circuito à sua destruição devido ao curto entre VCC e GND.

Acionamento correto da ponte H

Uma solução para prevenir o acionamento indesejado é utilizar um circuito dedicado que contenha proteção para estas situações. Os circuitos de acionamento são chamados de drivers, alguns já possuindo a função de prevenção contra shoot-trough. Um modelo interessante é o IRS2184. Ele é um driver para FETs ou IGBTs que faz a proteção contra o acionamento de ambas as chaves de um mesmo ramo, evitando o surto de corrente e a possível queima do circuito.

O funcionamento das saídas do driver que acionam as chaves é regido pelas entradas IN (input) e SD (shutdown), sendo que a última possui lógica invertida. Os estados lógicos do driver são apresentados na tabela:

Tabela 1 - Tabela verdade do IRS2184
Tabela 1 – Tabela verdade do IRS2184

O IRS2184 opera com uma topologia de bootstrap. Um modo de utilizar o driver quando em pares, empregado principalmente no acionamento de motores DC, é o capacitor carregar-se através da chave inferior do lado oposto da ponte em que o driver está conectado.

No primeiro estágio desse modo, quando a chave inferior oposta está fechada e a superior aberta, uma corrente circula da alimentação, através do diodo e da chave inferior oposta carregando o capacitor. No segundo estágio, para a chave superior ser fechada, o capacitor é conectado em paralelo ao o gate e source. Isto faz com que em qualquer situação a tensão no gate da chave seja sempre VCC-Vd Volts maior que a tensão no source, o que garante que a tensão Vgs seja suficiente para acionar o FET.

Figura 2 - Sentido de correntes no capacitor no circuito de bootstrap
Figura 2 – Sentido de correntes no capacitor no circuito de bootstrap

O problema com essa topologia é que não é possível manter o transistor superior ligado por tempo indefinido por causa do descarregamento do capacitor. Para operar, portanto, é necessário manter o estado da chave superior alternando entre ligado e desligado. Opta-se como solução utilizar uma saída PWM para o SD, que além de manter o funcionamento do circuito bootstrap, também permite o controle de velocidade.

Utilizando um par de drivers, para a ponte completa e levando em conta que para o circuito de bootstrap funcionar deve ser aplicado um acionamento PWM nos transistores superiores, obtém-se a seguinte tabela de acionamento:

Tabela 2 - Estados do motor em relação às entradas do IRS2184
Tabela 2 – Estados do motor em relação às entradas do IRS2184

Nota-se pela tabela que não existe estado que leve o sistema a estados inseguros.

Código de exemplo

Para exemplificar o uso correto da ponte empregando o controle PWM foi desenvolvido um código exemplo para o PIC18F1330 com o compilador XC8. Um dos drivers foi conectado aos pinos 17 (IN) e 10 (SD). O segundo driver foi conectado ao pinos 18 (IN) e 11 (SD). Para facilitar o acesso foi criada uma função para acionar os pinos.

Conclusão

A utilização de um driver dedicado para acionar uma ponte H contribui para simplicidade do circuito e também da segurança no acionamento, visto que este impede as condições de shoot-through que poderiam causar danos à placa.

Referências

http://www.irf.com/technical-info/appnotes/an-1123.pdf
https://www.fairchildsemi.com/application-notes/AN/AN-6076.pdf
http://www.irf.com/product-info/datasheets/data/irfs7430-7ppbf.pdf

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Receba os melhores conteúdos sobre sistemas eletrônicos embarcados, dicas, tutoriais e promoções.

Comentários:
Notificações
Notificar
guest
4 Comentários
recentes
antigos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
José Armando Santos
José Armando
16/07/2020 07:41

Bom dia,

Eu tenho o driver FAN7080, RECOMENDADO PELO PROF. RENÉ DE FORTALEZA posso aplicar ao seu exemplo de comandar 2 motores em vez do dricer IRS2184?

ME MANDE O CODIGO DE PROGRAMAÇÃO NO ARDUINO, SE FAZ FAVOR PARA O FAN 7080, QUAL A FREQUENCIA DO OSCIOLADOR.

ESPERO SUA AJUDA
O MESTRE JOSÉ ARMANDO

Bruno Albrecht
Bruno L. Albrecht
15/09/2014 09:32

Outro CI pra isso é o IR2108 (usei no meu TCC do MBA e me atendeu sem restrições)

Luigi Sica Nery
Luigi Sica Nery
Reply to  Bruno L. Albrecht
19/11/2014 21:55

São bem parecidos, mas há grande diferença na capacidade de corrente.

trackback
23/10/2014 01:51

[…] artigo [1] de Fabio Souza [2] foi abordado o controle de saídas PWM em um Arduino, e no artigo [3] de Rodrigo Almeida [4], com a colaboração de seus alunos, foi estudado o controle de motores […]

Talvez você goste:

Séries

Menu
Privacy Settings saved!
Configurações de Privacidade

Entenda quais dados e informações usamos para ter melhor entrega de conteúdo personalizado para você.

These cookies are necessary for the website to function and cannot be switched off in our systems.

Para usar este site, usamos os seguintes cookies tecnicamente exigidos

  • wordpress_test_cookie
  • wordpress_logged_in_
  • wordpress_sec

Decline all Services
Accept all Services