ODROID-U3

odroid-u3

Desde seu lançamento em janeiro de 2014, a terceira iteração da linha “U” da Hardkernel, o embarcado ODROID-U3 tem se destacado por sua versatilidade. Não só tem substituído com sucesso o último integrante da linha “X”, o não mais vendido ODROID-­X2, como tem acumulado um repertório de receitas, “howtos” e tutoriais de uso que têm feito deste Single Board Computer de potência média o mais documentado da empresa.

  

odroid-u3
Figura 1 - ODROID-U3 no centro cercado de um raspberry pi, um arduino e o IO Shield

 

A primeira razão do sucesso é o seu tamanho: uma plaquinha de 83x48mm com peso de apenas 48g carrega um processador ARM Cortex-A9 Quad Core Exynos 4412 com 1.7 GHz e 2 GB de RAM com heatsync e conexão para ventoinha, Ethernet 10/100 Mbps, 3 portas USB 2.0, conexão de áudio 3.5mm e o convencional de um dispositivo da hardkernel: suporte a Linux (ubuntu, fedora e outros) e Android, conexão MicroHDMI, soquete eMMC, slot para MicroSD, 3 leds coloridos de status, conexão para serial, botão de reset, conexão de 5V, conexão de bateria e microUSB OTG 2.0. A GPU é a bem suportada Mali­400 em configuração Quad Core de 440 MHz. 

 

Tudo isso em sua configuração “nua” (sem outros acessórios) pelo preço de US$ 69. Certamente mais caro que um Raspberry Pi 2 ou mesmo um ODROID­-C1 de US$ 35, por outro lado bem mais acessível que um ODROID­-XU3 Octa Core que sai por US$ 179. 

 

Sentiu falta da menção dos GPIOs? Ora, podemos mostrar então a segunda razão de seu sucesso: o ODROID-­U3 só carrega o que precisa e tem além da configuração mínima uma grande variedade de acessórios de expansão. Se você pretende usar GPIOs ele tem, na parte de baixo da placa, um conector de 8 vias que permite a utilização de um “IO Shield” que adiciona 36 portas de GPIO/PWM/ADC. Este shield tem exatamente o formato do embarcado e é montado na parte de baixo da placa com espaçadores. Para incrementar a funcionalidade, este shield pode ser usado de dois modos: um é através dos GPIOs diretamente pelo sistema operacional instalado (Linux ou Android), outro é pelo seu uso como “Arduino”. Como a multiplexação dos GPIOs é feito por um microcontrolador Atmega328P, você pode acessá-­lo pela IDE Arduino e substituir a programação dele por uma que prefira. Como se fosse um “UDOO Neo”.

 

ODROID-U3 + IO Shield
Figura 2 - ODROID-U3 + IO Shield

 

Os acessórios não param no IO Shield. Você pode escolher uma tela em forma de shield para ele com o ODROID­-VU, um TFT de 1280x800, ou um ODROID­-SHOW2, um TFT mais barato de 320x200 ou até mesmo um “ODUINO­ONE”, que é um Arduino encaixável com display LCD e keypad. Você pode carregá­-lo de sensores de clima com o “Weather board”, monitorar o consumo de energia com o “Smart Power”, mantê-­lo ligado por bastante tempo com o UPS2 e assegurar o funcionamento do Real­Time Clock com uma bateria. 

 

ODROID-U3 funcionando
Figura 3 - ODROID-U3 ligado ao lapdock pra exibir a interface gráfica

 

Com toda essa gama de acessórios disponível, a revista da Hardkernel, a ODROID Magazine, acumulou mais de uma dezena de artigos específicos sobre este embarcado. Há receitas de como fazer um veículo de terra autoguiado, painel automotivo com LCD, cluster de computação de alto desempenho, videogame (a potência do Mali­400MP4 não deve ser subestimada!) e vários outros dispositivos. E aproveitando o Smart Meter, a eficiência térmica do dispositivo foi medida de forma bem detalhada, demonstrando que só com o dissipador de alumínio que vem sua dissipação de calor já é melhor que a de um ODROID­-XU com dissipação ativa para a mesma frequência. Com tanta atividade tratando deste embarcado, é seguro dizer que seu BSP já é bem maduro e eu o recomendaria fortemente para projetos industriais. À parte de ser um excelente dispositivo para hobbyista, claro! Veja como ele fica ligado a um display Atrix Lapdock em meu laboratório doméstico. 

 

Resumo das características da placa:

  • Processador ARM Cortex-A9 Quad Core Exynos 4412 com 1.7 GHz e 2 GB de RAM;
  • 10/100Mbps Ethernet com conector RJ-45;
  • 3 x portas USB2.0 host;
  • headphone jack on board;
  • Portas GPIO/UART/I2C;
  • Dimensões: 83 x 48 mm;
  • Peso: 48g incluindo o dissipador.
NEWSLETTER

Receba os melhores conteúdos sobre sistemas eletrônicos embarcados, dicas, tutoriais e promoções.

Obrigado! Sua inscrição foi um sucesso.

Ops, algo deu errado. Por favor tente novamente.

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Cláudio Sampaio
Formado em engenharia de computação, perfil misto de administrador de sistemas Unix e desenvolvedor de software com anos de experiência, "Patola", como é conhecido, tem paixão por sistemas Linux e software livre. Envolveu-se com o Movimento Maker e explora as vantagens do uso de software livre e, quando possível, hardware livre em seus tópicos.

2
Deixe um comentário

avatar
 
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Mario WilsonOctavio Tosta Recent comment authors
  Notificações  
recentes antigos mais votados
Notificar
Octavio Tosta
Visitante
Octavio Tosta

Boa noite,

Gostaria de saber o melhor jeito para comprar esta e outros embarcados de sites do exterior.

Grato.

Mario Wilson
Visitante
Mario Wilson

Boa noite Cláudio Sampaio, parabéns pelo artigo, não conhecia os SoC's da Hardkernel!
Me chamou a atenção a potência do core e o fato de ver SoC's com heatsynk em processadores ARM, geralmente só via no cores da Intel ( Atom )!
Outra coisa que achei importante é o suporte aos sistemas Linux (ubuntu, fedora e outros) e Android. Como funciona esse suporte? Será que existem versões customizadas dessas BSP's dependendo da aplicação?
Digo isso porque estou fazendo uma pesquisa por sistemas operacionais embarcados voltados para aplicações médicas.

Abraço,