Multicores assimétricos no desenvolvimento de sistemas embarcados – Parte 2: Eclipse

Multicore Communication library Multicores assimétricos prática Firmware M4

Dando sequência a série de artigos que visa auxiliar no desenvolvimento de produtos que façam uso de multicores assimétricos, baseado no computador em módulo Colibri VF61 (Freescale® Vybrid), este capítulo apresenta o processo de configuração da IDE Eclipse para a programação dos dois núcleos diferentes. Lembre-se que o compilador utilizado para gerar programas para o núcleo Cortex-A5 é diferente do utilizado para gerar programas para o Cortex-M4.

Download e Instalação do Eclipse

Baixe o eclipse no site do eclipse.

Descompacte o arquivo:

Para poder funcionar o eclipse, é necessário instalar o Java.

Execute o binário eclipse dentro da pasta eclipse.

Configurando Eclipse para Aplicação A5

Para todas as aplicações novas que você criar para o seu núcleo Cortex-A5 você terá que fazer esta configuração.

Com o Eclipse aberto, na aba Project Explorer, aperte botão direito e selecione:

Figura 1: Iniciando um novo projeto no Eclipse
Figura 1: Iniciando um novo projeto no Eclipse

 Em seguida, complete o nome do projeto e selecione sua configuração conforme a figura abaixo:

Multicores-assimetricos-no-desenvolvimento-de-sistemas-embarcados
Figura 2: Selecionando o tipo de projeto

Continue clicando em “Next” até a tela de seleção do “Cross Compiler”. Na figura 3 selecione a “toolchain” que instalamos anteriormente.

Figura 3: Configurando a "ToolChain"
Figura 3: Configurando a “ToolChain”

Em Cross “compiler prefix” complete com:

Em Cross “compliler” path complete com:

Multicores-assimetricos-no-desenvolvimento-de-sistemas-embarcados
Figura 4: Seleção corretas das “ToolChain”

Concluindo a configuração, podemos compilar o projeto “helloworld” para nossa arquitetura. No exemplo 1 faremos isso.

Conectando na placa

Este subcapítulo explica como configurar e realizar a depuração de um “target” remoto.

Uma vez configurado IP na placa e no host, podemos conectar na placa por meio do Eclipse.

No canto superior direito, selecione a perspectiva “Remote System Explore”:

Multicores-assimetricos-no-desenvolvimento-de-sistemas-embarcados
Figura 5: Remote System Explore

Em seguida na aba “Remote System”, aperte o botão direito e crie uma nova conexão:

Multicores-assimetricos-no-desenvolvimento-de-sistemas-embarcados
Figura 6: Criando nova conexão com sistema remoto

Uma janela abrirá com as possíveis opções de conexão:

Figura 7: Selecionando nova conexão via SSH
Figura 7: Selecionando nova conexão via SSH

Selecione “SSH Only” e avance. Na próxima janela complete o IP da placa e o nome da conexão:

fig8
Figura 8: Inserindo informações de conexão

Ao finalizar, uma janela solicitando usuário e senha aparecerá. No caso da Toradex, complete com:

usuario: root

senha: <VAZIO>

fig9
Figura 9: Configurando acesso ao sistema remoto

Caso peça aprovação para gerar as chaves, aceite!

fig10
Figura 10: Aprovação para gerar as chaves

Se o processo for concluído com sucesso, será possível acessar o sistema de arquivos da placa pelo Eclipse conforme a imagem:

fig11
Figura 11: Acessando sistema de arquivos pelo Eclipse.

Configurando Debug

Para configurar o Debug do projeto, acesse o menu no Eclipse:

 Run>Debug Configuration.

Ou através do botão ao lado do botão Debug (Um inseto verde):

fig12
Figura 12: Debug Configuration

Na janela “Debug Configuration”, uma lista de opções aparecerá à direita, crie uma nova “C/C++ Remote Application” conforme a figura 13.

fig13
Figura 13: Configuração do Remote Configuration

Nesse momento, uma lista de campos a serem preenchidos aparecerá:

fig14
Figura 14: Configurando o Remote Configuration

Selecione o nome do seu projeto e em seguida clique no botão “Search Project…” para selecionar a aplicação que será depurada, nesse momento, a aplicação ARM deve ser selecionada:

fig15
Figura 15: Selecionando aplicação para “Debug remoto”

Em seguida no campo “Connection”, selecione a conexão criada conforme o capítulo anterior:

fig16
Figura 16: Selecionando a conexão criada

No campo “Remote Absolute File Path” é necessário completar o caminho que a aplicação será salva na placa. Lembre-se de colocar o nome da aplicação também.

fig17
Figura 17: Configurando o caminho da aplicação

O último passo, é selecionar o GDB correto. Entre na aba “Debugger” e complete o parâmetro “GDB Debbuger” com o “mesmo” path e “toolchain” selecionado na criação do projeto, porém, com “-gdb” no final.

fig18
Figura 18: Configurando o GDB correto

Para finalizar, altere o campo “GDB command file” para:

~/.gdbinit

E em seguida execute o seguinte comando no terminal, para criar esse arquivo:

echo “set sysroot remote:/” > ~/.gdbinit

Para testar, clique em “apply” e em seguida Debug.

Outros artigos da série

<< Multicores assimétricos no desenvolvimento de sistemas embarcados – Parte 1Multicores assimétricos no desenvolvimento de sistemas embarcados – Parte 3: Firmware M4 >>
Website | Veja + conteúdo

Raul Rosetto Muñoz é graduado em Engenharia Elétrica pela Universidade São Francisco. Desde 2008, tem trabalhando na área de sistemas embarcados. No começo da sua carreira trabalhou com desenvolvimento de software para microcontroladores. Nos últimos 8 anos, tem focado no desenvolvimento e customização de Linux embarcado. Atualmente é engenheiro de aplicação e vendas na empresa Toradex Brasil, empresa global com matriz na Suíça qual desenvolve computadores em módulo de alta performance.

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Receba os melhores conteúdos sobre sistemas eletrônicos embarcados, dicas, tutoriais e promoções.

Comentários:
Notificações
Notificar
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Talvez você goste:

Séries



Outros da Série

Menu