McLab1: A primeira placa que comprei

Quando eu estava iniciando meus estudos no fascinante mundo dos microcontroladores, assim que tive a oportunidade, comprei  uma placa de desenvolvimento para estudar em casa.

Essa placa me ajudou a fixar os conhecimentos no microcontrolador que estava estudando e foi responsável para que eu ingressasse na área de sistemas embarcados.

Nesse texto conto um pouco de como comprei a minha primeira placa de desenvolvimento e seus detalhes.

Os microcontroladores PIC

Nos anos 2000 os microcontroladores PIC eram muito populares no mercado nacional. Essa popularidade veio devido ao excelente trabalho da Artimar e empresas como a Mosaico Engenharia. 

A Mosaico Engenharia, liderada pelo David José, José Carlos, Vanderlei, Nicolas, Gil e demais colaboradores, trouxeram para o mercado nacional,  serviços como capacitação, consultoria e desenvolvimento de projetos usando os microcontroladores PIC. Eles possuíam um setor responsável por treinamentos e materiais didáticos, a Labtools.

Comecei estudando microcontroladores com o 8051, mas quando li o livro Desbravando o PIC: Ampliado e Atualizado para PIC16F628A,  decidi ser ali que iria focar meus estudos e aplicações, naquele momento. 

Livro Desbravando o PIC

Eu destrinchei o livro digitando todos os exemplos, em assembly, no MPLAB IDE e executando passo a passo na ferramenta de simulação que ele trazia integrado. Porém, faltava uma aplicação prática. Eu já tinha usado alguns kits de 8051 no laboratório do SENAI e era fantástico ver o código funcionando na prática.

Kit de Desenvolvimento McLab1

Na primeira oportunidade, investi em um kit de desenvolvimento para estudar em casa. Como a Mosaico já disponibilizava um hardware de referência para estudo dos exemplos do livro, no caso a placa McLab1, foi essa que comprei. 

McLab1

Você não imagina a felicidade quando a placa chegou. Agora eu podia executar os exemplos do livro e criar minhas próprias aplicações em casa.

A placa era simples, mas possuía recursos para explorar o PIC16F628A junto ao que era proposto no livro. Eu tenho ela aqui até hoje. Confira o video que fiz sobre ela:

Com a placa vinha um programador externo que servia tanto para programar a placa quanto microcontroladores fora da placa:

McLab1

Daí para frente foi só evolução. Vieram outras placas, treinamentos, projetos, etc.

Conclusão

A Artimar e empresas parceiras como a Mosaico contribuíram bastante para o desenvolvimento e capacitação dos profissionais na área de sistemas embarcados. Deixo aqui meu agradecimento ao André Rabner da Artimar e a todo time da Mosaico por facilitarem os estudos e desenvolvimento de projetos com os microcontroladores PIC.

E você, chegou a usar essa placa ou outras placas da Mosaico? Deixe seu comentário pra gente resgatar algumas lembranças.

JUNTE-SE HOJE À COMUNIDADE EMBARCADOS

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Home » Hardware » McLab1: A primeira placa que comprei
Comentários:
Notificações
Notificar
guest
4 Comentários
recentes
antigos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Mario Boaratti
29/03/2022 14:17

Também tenho uma placa dessa e um programador serial. É excelente. O que sei de PIC aprendi usando ela para testar.

Ivanízio Costa Ramalho Ramalho
26/03/2022 08:33

Bacana o vídeo! Eu tenho esse kit, mas estou envolvido com microcontroladores AVR Atmega (Microchip).

Rafael Dias
Rafael Dias
22/03/2022 11:07

Da mosaico a única coisa que tive foi um ICD2. Eu usava com uma placa que tinha um PIC16F877A e acabei trocando o PIC16 por um PIC18 que era pino compatível para poder explorar mais.
Brinquei muito com ele até que eu acabei aposentando a placa para investir em ARMs e coisas afins.
Também usava esse setup para dar as minhas aulas de pic16 no senai anchieta.
Se alguém quiser o material do curso, de 13 anos atrás:
https://github.com/rdmeneze/PIC16F628-Course

Denis Beraldo
Denis
15/03/2022 09:18

Fábio, eu tenho este kit mas a minha placa é da cor verde Rev. A, o kit é exatamente o mesmo.
Lembro de usar muito o MPLAB em Assembly, fazia as rotinas de Delay próprias calculando o tempo pelo Counter. Eu usava muito também aquela simulação offline onde era possível gerar os estímulos, ver os registradores alterando conforme o programa era executado, foi uma época muito legal.
O livro “Desbravando o Pic” era praticamente um Datasheet do 628A.

Talvez você goste:
Nenhum resultado encontrado.
Menu