Fórum

Palavra-chave
Destaque/Sem destaque
Resolvida/Não Resolvida
Aberta/Encerrada
0 votos
0 respostas
4 visualizações

Boa noite pessoal.

Meu nome é Guilherme, estou no último semestre de Engenharia da Computação e estou com dificuldade em meu Trabalho de Curso. Sei que o prazo é curto, tive outras ideias no caminho e acabei me enrolando com o prazo. Mas toda ajuda é bem vinda!!

-> A minha ideia é a seguinte, preciso coletar os dados de um determinado modelo de carro X em uma determinada escala Y e comparar o que vou obter através do sensor MQ-9. Por exemplo:

-> Medir a emissão de poluentes de um Onix 1.0 abastecido com Gasolina, na faixa de 0 a 20 mil, 20 a 40 mil, 40 a 60 mil, 60 e 80 mil, 80 a 100 mil km rodados.

-> Medir a emissão de poluentes de um Onix 1.0 abastecido com Etanol, na faixa de 0 a 20 mil, 20 a 40 mil, 40 a 60 mil, 60 e 80 mil, 80 a 100 mil km rodados.

-> Para isso devo consultar essas empresas de vistoria que medem o nível de poluentes dos carros movidos a GNV, acredito que eu consigo acesso a máquina e tal apenas para fins didáticos… Feito isso, devo montar uma planilha e um gráfico.

-> Eu adquiri um kit iniciante que vem a BlackBoard UNO R3 e comprei 2 x sensor de gás MQ-9. A dificuldade está em interpretar aquele Datasheet pois parece que o sensor precisa trabalhar em 1.5 V para detectar o CO. Para CO2 já é outro valor etc. Isso você encontra no Datasheet. O problema é que não consigo montar um código que relacione aquelas informações com o que preciso saber. Lá você encontra a concentração em relação a ppm, em relação a temperatura etc…

Gostaria de saber se alguém possui experiência com esses sensores e como faço para interpretá-los, e se alguém possui algum código “mastigado”, isso me ajudaria muito, pois devo montar uma própria escala e comparar com a tabela que eu vou obter através de pesquisas com o carro X.

Muito obrigado e boa semana a todos.

0 votos
0 respostas
3 visualizações

Olá Amigos!

Queria perguntar sobre o ambiente de desenvolvimento de vcs.

Trabalho com desenvolvimento embarcado para IMX53 para automação agrícola e rodoviário utilizando rede CAN.

Atualmente utilizo o Qt para criação das aplicações, mas da forma como as coisas foram implementadas, sofro muito com o processo de debug das aplicações maiores.

Então queria saber como vocês realizam o processo de criação e debug das aplicações. Já li que o ideal era criar o sistema inteiro, testes, etc rodando somente do computador e somente depois portar para o device, vocês concordam com isso?

Sobre o Qt, existe outra ferramenta melhor?

E sobre o Linux embarcado, o yocto é o melhor ou vocês utilizam outra distro?

Sei do buildroot também, mas comparado ele não é mais limitado?

Por fim, qual distro Linux vcs usam para programar, utilizo o Fedora, mas já tive problemas com relação ao bulir do yocto por causa de atualização da distro. Indicam alguma outra?

Estava vendo o openSuse, já que o tempo de release dele costuma ser de 3 anos ao invés de 6 meses / 1 ano do Fedora.

Agradeço a todos!
Abraço!

0 votos
27 visualizações

Olá galera,
Estou enfrentando um problema na empresa que trabalho para entender um LDF referente ao protocolo LIN v1.3. Inicialmente devo ressaltar que não possuo experiência com o protocolo LIN, já li muito sobre o assunto mas não apliquei em nada. Recebi um dispositivo que comunica via protocolo LIN de outro país, pré configurado de fabrica, e preciso apresenta-lo a um cliente. Uma das formas que estou tentando de ativar este dispositivo é através de uma aplicação em um microcontrolador que envia e recebe mensagens LIN que eu já vinha desenvolvendo a um tempo.
Não temos uma ferramenta para gerar um código C para o LDF, e a compra demoraria bastante tempo além de que acredito que seria caro apenas para uma apresentação.
Tentei enviar um frame ao dispositivo, lendo o LDF e colocando os valores referentes aos campos PID, e dados transmitidos e não obtive nenhuma resposta, acredito que o dispositivo não reconheceu a mensagem como se o endereço do PID estivesse errado. Então gostaria de jogar algumas perguntas, se alguém souber por favor, peço que me ajude.
-Como devo preencher o campo PID?
-Devo escrever um scheduler como o do LDF para enviar todos os frames? Pelo que eu entendi na especificação, o scheduler está presente apenas no mestre, ao escravo não interessa que exista um scheduler, ele apenas responde aos frames enviados, o que simplificaria bastante minha aplicação.
–É necessário enviar um wake up frame para iniciar o escravo? Ou ele acordaria com qualquer frame que eu enviasse?
-Como na especificação dele está descrito que ele vem pré configurado de fabrica, isso quer dizer que não preciso enviar frames de configuração, certo?

  • david pinho perguntada 6 dias atrás
  • última atividade 4 dias atrás
0 votos
0 respostas
55 visualizações

Bom dia.

Gostaria de uma ajuda de voces. Por que não sei como fazer.
Tenho um projeto para fazer, onde possuo umas 5 placas metalicas com uma tag de RFID em cima de cada uma.

Eu preciso ler esses tags RFID e saber a sequencia deles.

Nao sei se posso ter uma única antena, ou se é necessário ter várias antenas uma pra ler cada uma das tags.

O local onde ficará a antena é fixo. Nao posso ficar correndo com a antena de um lado para o outro para ler as tags.

As tags estarao também em local fixo.

Na imagem abaixo, por exemplo, as chapas estao na sequencia 1, 2, 3, 4.
Preciso ler e identificar essa sequencia.
Mas por exemplo, eu posso mudar as placas de sequencia, e quando for fazer a leitura das RFID, identificar a nova sequencia colocada.

Como eu poderia fazer a leitura destas tags. As sequencias?
RFID

0 votos
0 respostas
101 visualizações

Saudações comunidade,
Estou trabalhando em um projeto com Arduino e preciso que este trabalhe a 2570Hz em uma das portas, porém vi que existe uma tabela fixa para setar o divisor de frequência em um dos temporizadores, então acredito que teria que setar no caso o Timer2 com divisor 1 ficando com 31250Hz nos pinos 3 e 11 e na programação usar de lógica para diminuir essa frequência para 2570Hz e poder aumentar em um décimo (e.g. 2570,1Hz) a cada pressionamento no pushbutton.
Alguém poderia me dizer se isso é possível?

0 votos
85 visualizações

Olá pessoal,

Estou querendo fazer um projeto final para meu curso de automação que consiste em comunicar arduino com CLP. Exemplo, prescionar um botao no CLP e acionar um LED no arduino. Isso é possivel? Existe algum modo de comunicação?

Obrigado!

  • Evertton Silva perguntada 1 mês atrás
  • última atividade 1 mês atrás
0 votos
0 respostas
100 visualizações

: Boa tarde amigos! Sou médico tenho uma startup desenvolvendo medical device com transmissão de dados wireless para smartphone. Estamos desenvolvendo num Raspberry Pi 3 e gostaria da ajuda de vcs. Tão logo terminado o desenvolvimento, onde ou quais profissionais vcs indicam para transpor nosso desenvolvimento no Raspberry para o medical device?Qual linguagem seria mais adequada para evitar re-trabalho? (Node Js, C++ ou Python). Lembrando que o equipamento deve rodar em IOS e Android . Muito obrigado!

0 votos
0 respostas
87 visualizações

Tenho uma dúvida a respeito do Snapdragon 653. Quando estava pesquisando sobre o processador, notei que o mesmo não possui o bit NX, o que compromete a segurança dos usuários que desfrutam de celulares equipados com o componente (acredito eu por conta das pesquisas que fiz sobre o bit NX). Minha dúvida é: nesse processador existe alguma outra tecnologia embarcada para garantir a segurança do cliente? Se possível falar um pouco mais sobre o bit NX e sobre o nível de segurança que ele proporciona ao usuário.

0 votos
0 respostas
99 visualizações

A FINEP divulga esta nova forma de apoio para as empresas e instituições que desenvolvem inovações tecnológicas, notadamente que tenham como referência o conceito de Internet das Coisas e demais tecnologias habilitadoras da Manufatura Avançada, com aplicações na saúde, indústria, no agronegócio (ambiente rural) e no desenvolvimento urbano (cidades), conforme e-mail abaixo.
Projetos poderão ser apresentados a partir de 5 milhões de reais, por empresas médias com faturamento a partir de 16 milhões reais.
Temos experiência na formulação de projetos de inovação tecnológica em diversos formatos, desde para atendimento as FAPs como a Fapesb, financiamento via Desenbahia(Juro Zero), projetos de inovação na modalidade INOVA via Finep e Bndes e outros formatos via Finep, inclusive com alguns projetos de inovação e tecnologia aprovados nestas instituições citadas.

Desta forma, poderemos apoiar empresas avançadas em inovações tecnológicas ou instituições parceiras na formulação de projetos com alto grau de inovação para submeter às fontes apoiadoras e financiadoras, visando a captação desses recursos.

Antônio Carlos Rocha , [email protected]
Hibrida Tecnologia Ltda
(71) 98888-4652

Mostrando 1 - 10 de 363 resultados