Embedded System Canvas

Este post faz parte da série Canvas para Embarcados. Leia também os outros posts da série:

Que tal especificar Sistemas Embarcados com maior agilidade?

 

Especificar Projetos

 

Isso sempre foi um problema. Ninguém gosta, é necessário e todos reconhecem a importância.

 

Mas ninguém gosta de fazer. Aqui no Embarcados, existem vários artigos que tratam disso, justamente para convencer as pessoas que pensar no projeto antes de sair fazendo é importante. Exemplos:

 

Todos excelentes artigos sobre o que fazer. Mas como fazer? Uma ideia boa é usar um Canvas...

 

Os Canvas

 

Fazia tempo que não surgia ou não ganhava o mainstream alguma ferramenta verdadeiramente útil que não seja mera releitura de alguma outra coisa. O movimento "lean manufacturing", que sempre foi muito criticado por mim por ser mera releitura dos princípios da Administração de Taylor, deixou uma coisa filosoficamente importante: o conceito de "lean".

 

Esse conceito permeou autores como The Lean Startup, do Eric Ries. Em algum momento surgiu o "Business Model Canvas" na jogada.

 

Longa história feita curta, muita gente tem transportado para outras coisas o tal Canvas. Um canvas, para quem não sabe, é uma espécie de tabela em que se colocam informações resumidas sobre vários aspectos importantes para um projeto, empresa ou algo em geral e que permitem, em poucos minutos, levantar as principais características, requisitos, necessidades deste algo. De todos os canvas existentes, o mais famoso é o já mencionado Business Model Canvas.

 

Para quem quiser saber mais, a Wikipedia pode ajudar com uma introdução do que é este tal Canvas. Um outro artigo interessante, sobre a filosofia lean, no LinkedIn, é este.

 

O Embedded System Canvas

 

Surgiu canvas para tudo e obviamente nós, desenvolvedores de sistemas embarcados, precisávamos de um Canvas também. Então, para a empresa em que eu trabalho, a Repo, nós criamos um "Embedded System Canvas", que nos ajuda a especificar, de forma muito rápida, um sistema embarcado.

 

Embedded System Canvas

 

Para nós, esta tem sido uma das melhores ferramentas para organizar o que vai ser construído no sistema embarcado e até para dimensionar a quantidade de trabalho que precisa ser feita, o que já temos pronto e por aí vai.

 

Os campos são autoexplicativos, mas mesmo assim, vamos esmiuçar um pouco mais.

 

Entradas

  • Quais e qual o tipo de informação que o sistema vai capturar?
  • Como fará isso?
  • Como é a Alimentação?

 

Interface com Usuários

  • Conceitos como UI / UX / DI / DX
  • Como o usuário/desenvolvedor interage com o sistema?
  • Como o usuário / desenvolvedor configura o sistema?
  • Como o desenvolvedor depura / testa?
  • Como a fábrica testa? (DFT)

 

Uma observação:

  • UX - User Experience
  • UI - User Interface
  • O "D" é para "Developer", experience e interface
  • DFT: Design for testing

 

Arquitetura / Conhecimento / Bibliotecas

  • Qual a arquitetura base do sistema?
  • Quais os principais dispositivos?
  • Quais blocos e bibliotecas se possui?
  • Quais precisam ser desenvolvidos?

 

Conectividade / M2M / IoT

  • Com quais os sistemas há interação?
  • Como será a conexão com a nuvem?
  • O Sistema comunica em algum barramento? Com qual protocolo?

 

Saídas / Entregáveis

  • Que tipos de dados o sistema gera?
  • Quais relatórios ele precisa?
  • Que dados serão enviados à nuvem?
  • Os dados de IoT serão de uso de quem?
  • Quais são as notificações de erro?

 

Funções Especiais / Funcionalidades Especiais

  • O que faz esse sistema embarcado especial e não um simples computador de uso geral?
  • Possui update? Como?

 

Customize à vontade!

 

É claro que cada empresa pode adaptar o diagrama acima e colocar mais ou menos campos. Entretanto, a gente quis minimizar ao máximo a variação desses campos e até condensou alguns. Eu gostei tanto, que já estou também preparando outros canvas, como um para entrada de piloto de produção, testing canvas, e etc.

 

O importante aqui é: como agilizar a documentação da empresa e como fazer isso sem ser dolorido ou confuso, para as pessoas entenderem - e entenderem rápido - o que é o sistema. Isso ajuda além da simples documentação!

 

Um canvas deste pode explicar um produto até mesmo para um gerente não técnico, por exemplo, do lado comercial da empresa de porque aquele projeto não pode sair em "1 semana"...

 

O Fim do Diagrama de Blocos?

 

Já fazia muito tempo que eu abandonei os diagramas de blocos pois eles começaram a ficar muito parecidos. Começaram a sempre ter algum tipo de CPU, um bloco de entrada, conectores, sensores, um bloco de saída.

 

Exceto para projetos verdadeiramente complexos, o diagrama de blocos de um desentortador de bananas, uma máquina de pentear macacos ou de um sensor IoT ligado em nuvem ficaram muito parecidos e pouco esclarecedores.

 

Já os canvas especificam muito mais no produto. Creio que o diagrama de blocos tem ainda sua validade, mas é bem menos fundamental que outrora.

 

Que tal pegar um dos vários projetos do Embarcados, para começar a brincar com essa ferramenta?

 

Saiba mais

 

Hardware Startups: Não se assuste! Compartilhe!

Empreendedorismo - Os (meus) primeiros passos

Serviços ou Produtos? Eis a questão

Outros artigos da série

Hardware Business Model Canvas >>
Este post faz da série Canvas para Embarcados. Leia também os outros posts da série:
NEWSLETTER

Receba os melhores conteúdos sobre sistemas eletrônicos embarcados, dicas, tutoriais e promoções.

Obrigado! Sua inscrição foi um sucesso.

Ops, algo deu errado. Por favor tente novamente.

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Ricardo Tafas
Ricardo F. Tafas Jr é Engenheiro Eletricista pela UFRGS com ênfase em Sistemas Digitais e mestre em Engenharia Elétrica pela PUC com ênfase em Gestão de Sistemas de Telecomunicações. É também escritor e autor do livro Autodesenvolvimento para Desenvolvedores. Possui +10 anos de experiência na gestão de P&D e de times de engenharia e +13 anos no desenvolvimento de sistemas embarcados. Seus maiores interesses são aplicação de RH Estratégico, Gestão de Inovação e Tecnologia Embarcada como diferenciais competitivos e também em Sistemas Digitais de alto desempenho em FPGA. Atualmente, é editor e escreve para o "Repositório” (https://www.repositorio.blog), é membro do editorial do Embarcados (https://www.embarcados.com.br) e é Especialista em Gestão de P&D e Inovação pela Repo Dinâmica - Aceleradora de Produtos.