Dicas de Carreira em Sistemas Embarcados (Resumo do Webinar já realizado)

Dia 09/08/2017, eu e o Flavio Pivatti ministramos um webinar sobre carreira em sistemas embarcados. Abaixo, eu coloco os tópicos principais que discutimos.

 

LINK PARA ASSISTIR AO WEBINAR

 

PARTE 1: Nivelamento, Mudança de Paradigma.

O que é carreira de Desenvolvimento?

  • Carreira de desenvolvimento é o exercício de atividades para a criação de algo. É partir de uma matéria base e transformá-la em algo mais complexo, mais útil, mais funcional.
  • No caso de sistemas embarcados, é desenvolver produtos de forma multidisciplinar: software, hardware, lógica programável, firmware
  • Envolve criatividade, conhecimento técnico: diferente de um artista, o objetivo é demonstrar o conhecimento!

A relação entre Carreira e Tecnologia

  • Uma carreira é algo independente de tecnologia, mesmo para quem trabalha com tecnologia.
  • O engenheiro não é o hardware que projeta. O bom programador não se define pela linguagem. Embora divertida, a frase que programadores de alto nível programam em baixo nível não é verdade: Programadores têm alto nível independente da linguagem. Só que o mesmo também vale para quem é ruim no trabalho...

Mudança de Paradigma: A carreira deve andar, mesmo que a tecnologia pare.

  • Se a tecnologia mudar, a carreira deve acompanhar.
  • A Tecnologia define a carreira? NÃO! É a escolha de carreira que define em que trabalhar.
  • Uma pessoa é uma soma: conhecimento, emoções, habilidades, desejos…

Mudança de Paradigma: suas habilidades não garantem seu sucesso.

  • Ser especialista significa ser promovido? Ser o melhor técnico da empresa é garantia de sucesso?
  • No Livro Peopleware, conta-se o caso da programadora que não programava, mas todos os projetos em que ela participava eram um sucesso!
  • Um sujeito intratável, ácido e nocivo: promoção ou demissão? Equipes conseguem melhores resultados com indivíduos dispostos a cooperar, mesmo que tecnicamente fracos àquelas com indivíduos competentes, mas que não conseguem colaborar.

 

 

PARTE 2: A Organização das Empresas

Cargos Formais

Os cargos formais são os cargos que se ocupa após uma promoção.

  • Desenvolvedor: do júnior ao sênior. Mede-se o resultado e a proficiência.
  • Coordenadores: devem garantir que tarefas aconteçam de forma organizada. Normalmente substituídos por gerentes de projeto.
  • Gerentes: devem garantir que a estrutura sob sua responsabilidade esteja funcionando. Envolve gestão de conhecimento, de pessoas, de tecnologia e de recursos.
  • Diretores: devem dirigir, no sentido de direção. Apontar o caminho.

Cargos Informais

No fundo, são estes que definem uma promoção.

  • O fodão: aquele que acerta tudo, de primeira, sem estresse e sem esforço. Pode ser um pouco arrogante ou egocêntrico, mas como é fodão mesmo, ninguém dá bola.
  • O Bom samaritano: aquele que ajuda todo mundo em seus projetos. As vezes esquece dos seus próprios projetos.
  • O Arrogante: se acha tanto quanto o fodão, muitas vezes compete com ele, mas não é fodão. Seria o "Babão" do Eu sou o Máximo.
  • O Chato: aquele cara que vive incomodando, entra em assuntos alheios, normalmente dando um fora.
  • O amigo do chefe. O puxa saco. Sem mais.
  • O Capacho: aquele que aguenta e engole todos os sapos, só para vomitar nos ouvidos dos colegas. Nunca tem boca para nada.
  • O Reclamão: nada nunca está bom. Tudo é ruim, a empresa é ruim. Tal qual o arrogante, normalmente contrasta com o fodão.
  • A Subestimada: ainda tem alguns caras que acham que mulher não serve para engenharia. A estes, damos uma clava e devolvemos para a caverna.
    • NOTA: Não existem estudos que indique que há uma redução de capacidade técnica dependente de gênero. O notório menor número de mulheres desenvolvendo embarcados se dá por questões de escolha, educação, culturais, familiares e etc. Seja como for, falta de capacidade ou de talento definitivamente não são argumentos.
    • Nota 2: Para todos os cargos acima, há versão masculina e feminina. Ok?

Organização Formal

  • Por projeto: equipes multidisciplinares organizadas por projeto. Manda o dono do projeto, do setor, do departamento. Famoso caso de "repartição".
  • Por Tecnologia: o conceito de fábrica e linha de produção. O gerente de área manda e define quem entra ou sai. Pepino: se um gerente de projeto não cair nas graças do gerente de área, seu projeto para.
  • Misto: se o projeto der dinheiro, ele terá equipe fixa. Ponto. Se não der, o gerente de projeto acaba com o que sobra e fica mendigando recursos.

Organização Informal

Nem sempre é uma organização de fato, mas se avaliarmos a alocação das pessoas não seguem nem projeto, nem produto, nem tecnologia, nem nada.

  • No Grito: Os gestores que mais aterrorizarem os outros terão sua organização em funcionamento.
  • Tem recurso onde tem dinheiro. Os projetos são organizados pelo departamento comercial. Normalmente, o vendedor chega com o argumento: "se tiver isso vai vender". Mas nunca se vende o que se tem.
  • Pet Project: algum sujeito de poder encasquetou que aquilo vai dar certo. Então o time vai fazer e vai ficar alocado naquilo até o diretor sair ou o produto entrar em linha.
  • Para inglês ver: organização de P&D para atender certificações. Normalmente temporária. Ou tropicalizar produtos: time que só serve para arrecadar incentivos.
  • Tropa de Choque: o time que sempre é alocado para corrigir as burradas dos trocentos estagiários contratados para manter custos baixos. Pode ser desmotivante... Porém, é sempre uma excelente oportunidade.

 

 

PARTE 3: Objetivos Pessoais.

Sucesso?

  • O que define sucesso? Cada um tem seu conceito, não é universal. Para uns o sucesso pode ser um cargo maior, outros em trabalhar no que gosta e ter tempo para a família.
  • Quem é o seu chefe, no fim das contas, na empresa? VOCÊ MESMO!

Carreira

  • O que é? É movimento do profissional para ocupar posições de maior destaque devido ao seu aumento de conhecimento, de qualidade, de maturidade.
  • Plano de carreira: trilha de possíveis cargos. Um mapa rodoviário. Para descontrair: Carreira em Y.

Empregabilidade

  • Como garanto meu emprego?
  • Sendo útil, cumprindo suas atividades.
  • Cuidando de sua saúde e de sua vida. Workaholic não é qualidade! Perfeccionismo não é qualidade!
  • Cuidando do seu networking.

As Qualidades que você precisa.

Trecho roubado do Autodesenvolvimento.

  • Paciência: para não pular fora antes do tempo certo.
  • Resiliência: para aguentar os altos e baixos.
  • Desapego: pois resultado não é tudo que importa.
  • Ética: de nada adianta ficar se foi às custas dos demais.
  • Conhecimento: sem saber nada, dificilmente se vai longe…

 

 

PARTE 4: Mais alguns Paradigmas...

A Mania de se achar Tony Stark, o Ironman...

  • O mito do grande inventor.
  • Nosso trabalho é social.
  • Equipes mais fortes chegam mais longe.
  • Se fala muito em trabalho em equipe que parece corrida de bastão… só que não.

O trabalho em equipe

  • Saber conviver com os colegas, como um ser social.
  • Entender limitações: saber o momento de ficar quieto, o momento de criticar ou incentivar.
  • Você cuida da sua imagem? Higiene? Pois saiba que isso faz parte do convivio social!

Ética

  • Como durar no cargo se não for de outro jeito? Com o tempo, tudo se acumula.
  • Regra da mão direita para ética: não fazer aos demais o que não gosta que lhe façam.
  • NUNCA entregar mal feito e não testado.
  • SEMPRE documentar.

O momento de ficar sozinho... E trabalhar!

  • Trabalhar em equipe é também saber dividir tarefas.
  • O momento de concentração: o flow, estágio de máxima produção cerebral.
  • A dificuldade inerente da função: se tudo estiver pronto, não temos o que desenvolver.
  • Autosuficiência: sair perguntando tudo é ruim… e você parece burro.

Texto originalmente publicado no Repositório em 12/08/2017.

NEWSLETTER

Receba os melhores conteúdos sobre sistemas eletrônicos embarcados, dicas, tutoriais e promoções.

Obrigado! Sua inscrição foi um sucesso.

Ops, algo deu errado. Por favor tente novamente.

Ricardo Tafas
Ricardo F. Tafas Jr é Engenheiro Eletricista pela UFRGS com ênfase em Sistemas Digitais e mestre em Engenharia Elétrica pela PUC com ênfase em Gestão de Sistemas de Telecomunicações. É também escritor e autor do livro Autodesenvolvimento para Desenvolvedores. Possui +10 anos de experiência na gestão de P&D e de times de engenharia e +13 anos no desenvolvimento de sistemas embarcados. Seus maiores interesses são aplicação de RH Estratégico, Gestão de Inovação e Tecnologia Embarcada como diferenciais competitivos e também em Sistemas Digitais de alto desempenho em FPGA. Atualmente, é editor e escreve para o "Repositório” (https://www.repositorio.blog), é membro do editorial do Embarcados (https://embarcados.com.br) e é Especialista em Gestão de P&D e Inovação pela Repo Dinâmica - Aceleradora de Produtos.

Deixe um comentário

2 Comentários em "Dicas de Carreira em Sistemas Embarcados (Resumo do Webinar já realizado)"

avatar
 
  Notificações  
recentes antigos mais votados
Notificar
Cassiano Campes
Membro
Cassiano Campes

Belo post, que dá uma visão não apenas de SE, mas de desenvolvimento de Software como um todo. Trabalho em equipe é fundamental, mas lidar com essas várias categorias de pessoas é um tanto quanto delicado para o bom "funcionamento" do desenvolvimento.

P.S.: Vou comprar teu e-book hein, só não tem como tu autografar daí hehehe.