Nenhum comentário

Criptomoedas de IoT: WaBi

Este post faz parte da série Criptomoedas de IoT. Leia também os outros posts da série:

A falsificação de produtos é muito frequente. A China é responsável por mais da metade dos itens falsificados do mundo, um mercado estimado de mais de 400 bilhões de dólares em itens falsificados, só no ano passado. Esse fato causa muito prejuízo para as empresas e também pode causar sérios problemas aos consumidores desses itens.

A empresa chinesa WaliMai verificou que poderia certificar a autenticidade de produtos linkando o mundo físico ao digital, usando blockchain e um sistema criado para esse fim. Ela verificou que existia uma demanda por garantir a procedência da produção, principalmente de produtos relacionados a álcool, cosméticos e para bebês e crianças. Para certificar a autenticidade, a empresa desenvolveu um sistema com etiquetas RFID, com um design preparado para evitar o reuso dessas etiquetas, como se fossem lacres, em conjunto com aplicativos móveis para celular que permitiam certificar a mercadoria, através da leitura dos lacres RFID.

O aplicativo desenvolvido por essa empresa pode ser utilizado pelos consumidores para certificar se o produto é autêntico e, uma vez escaneada a etiqueta com RFID, os locais, data e horários por onde a mercadoria passou são mostrados na tela. Toda a informação está baseada na etiqueta RFID não violável e não falsificável (anti-clone e também com proteção anti-reuso). Os fabricantes e revendedores registram a passagem do produto por toda a camada de suprimentos, desde a produção até a gôndola. Veja abaixo uma imagem do app da WaliMai.

App da WaliMai

Veja no vídeo abaixo, que ilustra como o app da WaliMai funciona (clique na imagem):

O cofundador do projeto, Alexander Busarov, fala sobre a tecnologia por trás da etiqueta (ou lacre), utilizado pelo projeto. Basicamente é um adesivo com um chip RFID com um número único, com uma antena. Ao utilizar o celular e aproximá-lo do adesivo, ele energiza o chip e ele se comunica com o aplicativo. A proteção digital funciona da seguinte forma: o chip provê o seu número e também um token (ele funciona como um dos tokens de banco, com códigos gerados dinamicamente, e a autenticidade do selo é verificada pelo app, que acessa o servidor da Walimai e verifica se aquele número está correto, de acordo com o timeframe consultado). Há uma proteção física também que permite com que o selo não seja violado no transporte feito de forma normal e também no manejo da mercadoria no dia a dia até chegar ao cliente, mas a antena rompe e não funciona mais se o selo for trocado de mercadoria ou se for feita uma tentativa de violá-lo, ou o produto for aberto.

Veja o vídeo a seguir, que mostra como isso funciona com detalhes.

O diagrama a seguir ilustra muito bem como funciona o sistema da Wabi em detalhes.

Diagrama de como funciona o sistema da Wabi.

A Wabi é uma criptomoeda (ERC-20 token) criada para suportar esse sistema criado e que já está funcionando neste sistema da Walimai. Ela será utilizada na compra dos produtos que possuem essa tecnologia de rastreamento, similar a um programa de fidelidade com pontos. Então os consumidores conseguiriam comprar produtos protegidos por essa tecnologia que utiliza RFID. Fazendo isso, toda a cadeia é protegida, da produção à compra, através do registro de todas as informações, possível por conta da tecnologia por trás do blockchain, de forma efetiva, para proteger a autenticidade de toda a cadeia de compra dos consumidores. Então o projeto Wabi é um programa de lealdade baseado em blockchain que encoraja e premia quem utiliza o canal seguro de comercialização Walimai e, dessa forma, estabelece uma segurança coletiva mediante as ações individuais responsáveis. A chave do sistema então é garantir a segurança das transações em bens materiais (não digitais), mas que possuem uma forma de rastreamento não intercambiável (mesmo porque não é possível a troca de lacres entre produtos).

A garantia de autenticidade do produto permite formas de comércio, sem que haja dor de cabeça, pois a proteção de qualidade e certeza que o produto é de procedência correta está em sua embalagem, no lacre RFID. Vendas ponto a ponto ou pela internet, na rede social, pode existir sem problemas, já que o mercado começa a ser centralizado no produto e não mais nos canais que garantiriam a procedência do produto.

Informações sobre detalhes da mineração e esquema de Masternodes ainda não foram divulgados até abril de 2018, quando este texto foi escrito.

Roadmap do projeto WaBi – O que vem por aí

Projeto WaBi – Segundo Trimestre de 2018

– Começam as vendas de bebidas alcoólicas com os selos do projeto WABI.

– Lançamento dos Masternodes

– Lançamento do app V3

– Lançamento da quarta versão do selo RFID

Projeto WaBi – Terceiro Trimestre de 2018

– Lançamento da plataforma de venda P2P em várias províncias da China

– Portfólio de produtos atendidos pela WaBi estendido para ao menos 200.

– Integração da WaBi com outras soluções de pagamento.

Projeto WaBi – Quarto Trimestre de 2018

– Vendas extendidas mundialmente – América Latina, Sudeste Asiático e Europa

– Selos do projeto WaBi em produtos farmacêuticos

– Vendas de produtos WaliMai em ao menos 100 cidades, 100 lojas

Para verificar o mercado da WABI, acesse o link.

Para visitar o whitepaper do projeto, acesse o link.

Para ver a evolução do projeto, acesse o medium do projeto no link.

Saiba mais

Segurança da Informação – Criptografia AES

Webinar Gravado: Conceitos de Criptografia – Integridade, Autenticidade e Confidencialidade

RFID – Cartões Mifare

Segurança da informação para IoT

Outros artigos da série

Criptomoedas de IoT: Modum >>
Licença Creative Commons Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Receba os melhores conteúdos sobre sistemas eletrônicos embarcados, dicas, tutoriais e promoções.

Internet Das Coisas » Criptomoedas de IoT: WaBi
Comentários:
Notificações
Notificar
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Talvez você goste:

Séries



Outros da Série

Menu

WEBINAR
 
Porque o RTOS não faz o que eu quero?

Data: 28/10 às 19:30h - Apoio: Mouser Electronics
 
INSCREVA-SE AGORA »



 
close-link