1 Comentário

Criptomoedas de IoT: IOTA

IOTA
Este post faz parte da série Criptomoedas de IoT. Leia também os outros posts da série:

A IOTA é o primeiro projeto open source e de registros distribuídos criado para dar autonomia às coisas, ou seja, para permitir que dispositivos eletrônicos possam fazer transações entre si de forma segura e rápida. A IOTA não utiliza blockchain e sim o tangle, uma estrutura de dados distribuída que permite a verificação e autenticidade das transações ponto a ponto, com alguns dispositivos fazendo a validação das transações e garantindo a autenticidade das mesmas, em uma forma de registro distribuída e que não permite invasão.

Tangle

O Tangle, que é a estrutura de dados e base de como funciona a IOTA, a tecnologia por trás da IOTA, é um tipo específico de gráfico direcionado, que contém transações ligadas. Cada transação é representada como um vértice neste gráfico. Quando uma nova transação se une ao emaranhado de transações, ela escolhe duas transações anteriores para aprovar, adicionando duas novas arestas ao gráfico. Portanto, o tangle é dinâmico e fica sempre mudando.

No exemplo da imagem abaixo, a transação número 5 aprova as transações número 2 e 3. As transações são mais ou menos o que poderíamos esperar, “dispositivo A pagou ao dispositivo B algumas IOTAs”. No exemplo da figura, a transação número 6 não foi aprovada ainda. Cada transação recebida por um dispositivo precisa escolher duas transações ainda não aprovadas para aprovar (sempre há pelo menos uma transação não aprovada). A estratégia para escolher quais duas transações ainda não aprovadas devem ser aprovadas em seguida é muito importante e é a chave para a tecnologia por trás da IOTA, o tangle.

Há alguns aspectos que asseguram como a rede IOTA escolhe qual transação escolher para validar em seguida e como ela evita duplo gastos e como um “nó” pode ser coordenador da rede. Para mais detalhes, dê uma pesquisada no blog da IOTA.

Aplicações da IOTA - Carregamento inteligente e cadeia de suprimentos

Em uma aplicação direcionada para monitoramento de cadeia de suprimentos por exemplo, permite que os dispositivos saibam quem, onde e em que momento determinada transação aconteceu, permitindo assim, por exemplo, rastrear todas as transações de um determinado objeto da cadeia. Se dados críticos de monitoramento de um dispositivo sempre forem transacionados ao longo da cadeia com dispositivos inteligentes programados para tal, pode-se ter uma completa noção de diferentes parâmetros de um dispositivo eletrônico monitorado, por exemplo.

Uma aplicação que pode ser explorada com a IOTA é o carregamento inteligente. Em um mundo ideal em um futuro próximo, os carros vão ser elétricos e as estações para carregamento utilizariam painéis solares. Uma forma de cobrança pelo carregamento dos carros poderia ser utilizando IOTA. Extrapolando ainda mais, os carros poderiam ser carregados pelos painéis solares e, conforme sua capacidade ociosa à noite, o próprio carro poderia vender a energia para a rede novamente e alimentar outras partes da cidade ou aparelhos do proprietário e o pagamento poderia ser feito de forma segura e instantânea. Para que isso seja possível, é necessário que cada dispositivo eletrônico seja autônomo e possa validar a transação, recalculando quanto vale cada recarga, carga ou descarga. Da forma que é hoje, devemos comprar e vender utilizando um intermediário com ligação a uma instituição bancária, mas não é viável a compra e venda frequente por conta das taxas. A IOTA não tem custo de transação e não precisa de uma infraestrutura de PCs minerando, como o Bitcoin e depende apenas de dispositivos eletrônicos vizinhos ativos na rede IOTA, ou seja, conectados e dispostos a validar as transações, conforme, claro, os padrões e regras estabelecidas pela rede.

Veja alguns vídeos que também explicam sobre a IOTA:

Primeira Estação de Carregamento Inteligente de Carros utilizando pagamento via IOTA

A Empresa ElaadNL tornou público em abril deste ano uma estação para carregar carros elétricos onde o pagamento do recarregamento das baterias do carro elétrico poderiam ser feitos com IOTA, onde as transações aconteceriam de forma autônoma, de máquina para máquina. Essa estação está disponível em alguns locais nas ruas de Amsterdam na Holanda. Veja a imagem abaixo, que mostra o carregamento de um mini carro Tesla.

Onoph Caron, diretor da empresa ElaadNL disse o seguinte: "Este carregador mostra a capacidade de usar o poder de micropagamentos de máquina para máquina, com o uso de IOTA como uma solução segura para esses pagamentos e dados. ElaadNL pesquisa todos os tipos de tecnologias inovadoras e inteligentes no que diz respeito ao carregamento de carros elétricos. A tecnologia DLT (Tecnologia de Registros distribuídos) pode tornar-se generalizada num futuro próximo. Agora podemos explorar e pesquisar suas possibilidades em nossa área de testes em Arnhem."

Alisa Maas, responsável pelos projetos que envolvem mobilidade na IOTA Foundation, disse o seguinte sobre o novo sistema: "IOTA está emocionado ao ver ElaadNL levar seu desenvolvimento de estação de carregamento inteligente IOTA para o próximo nível. Esta solução desmistifica o potencial da IOTA para se tornar a espinha dorsal da economia da máquina. Graças à inovação de vanguarda da ElaadNL, a e-Mobility sem costura está dando um grande salto e estamos ansiosos para compartilhar essa conquista com o resto do nosso ecossistema em crescimento, para os setores de mobilidade, energia e cidades inteligentes."

Referências sobre a IOTA

https://blog.iota.org/
https://share.transistor.fm/s/5a73eee1

Outros artigos da série

<< Criptomoedas de IoT: AmbrosusCriptomoedas de IoT: Bottos >>
Licença Creative Commons Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Receba os melhores conteúdos sobre sistemas eletrônicos embarcados, dicas, tutoriais e promoções.

Internet Das Coisas » Criptomoedas de IoT: IOTA
Comentários:
Notificações
Notificar
guest
1 Comentário
recentes
antigos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Christian Vieira
16/01/2019 19:20

Olá Thiago, excelente artigo! Fiz uma disciplina no ano passado sobre Blockchain e Criptomoedas no DCC da UFMG ano passado e foi muito interessante à abordagem dada pelo Prof. da disciplina cujo foco foi mais na parte matemática e computacional envolvida, uma vez que basicamente o que é intrínseco nas criptomoedas é a resolução do problema do consenso em sistemas distribuídos... O arquiteto e desenvolvedor do Bitcoin no artigo original propôs à resolução através de um sistema distribuído em que as verificações são feitas através da Blockchain. O inconveniente desta é o tempo necessário para a verificação de uma transação… Leia mais »

Talvez você goste:

Séries



Outros da Série

Menu

WEBINAR
 
Debugging
em Linux embarcado

 

Data: 30/09 às 19:30h - Apoio: Mouser Elecctronics
 
INSCREVA-SE AGORA »



 
close-link