Placa CERTI NIO – Financiamento coletivo da Fundação CERTI

A Fundação CERTI lançou essa semana uma campanha de Crowdfunding, promovendo a CERTI NIO, uma placa com foco em IoT e aplicações inteligentes.
CERTI NIO
A Fundação CERTI lançou nesta semana uma campanha de Crowdfunding, promovendo a CERTI NIO, uma placa microcontrolada criada por eles e que pode ser usada para diversas aplicações. O projeto surgiu para suprir a necessidade de uma plataforma IoT para os projetos da Fundação CERTI e, após a análise de mercado, eles perceberam que a CERTI NIO poderia ser útil a vários desenvolvedores e resolveram oferecê-la à comunidade.
 
 
A CERTI NIO vem com um ARM Cortex-M4, e já possui um sensor IMU e módulo Wi-Fi + Bluetooth para você usar a internet, redes locais e conexão com outros dispositivos sem precisar de módulos ou configurações adicionais. Além disso, possui diversas interfaces externas como: DCMI, DSI, I2C, SPI, CAN, USART, Ethernet e USB. A figura a seguir exibe os recursos da placa:
 
CERTI NIO
Figura 1 – CERTI NIO
 
Segundo as informações da campanha, a CERTI NIO é a primeira placa desenvolvida na América Latina a rodar Linux. O projeto é open source e open hardware e terá suporte à IDE Arduino e MicroPython. 
 
 
Você pode conferir mais detalhes técnicos e apoiar a campanha no Catarse.
 

Engenheiro, especialista em sistemas embarcados. Hoje é diretor de operações do portal Embarcados, onde trabalha para levar conteúdos de eletrônica, sistemas embarcados e IoT para o Brasil.

Também atua no ensino eletrônica e programação. É entusiasta do movimento maker, da cultura DIY e do compartilhamento de conhecimento, publica diversos artigos sobre eletrônica e projetos open hardware.

Com iniciativas como o projeto Franzininho e projetos na área de educação, leva a cultura maker para o Brasil capacitando e incentivando professores e alunos a usarem tecnologia em suas vidas. Participou da residência hacker 2018 no Red Bull Basement.

Notificações
Notificar
guest
12 Comentários
recentes
antigos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Jose Almeida
Jose Almeida
28/11/2017 18:18

Linux num M4? Só se for a versão sem MMU o uCLinux….

Fabio Utzig
Fabio Utzig
17/11/2017 07:19

Para chamar de “open source e open hardware” tem que ter o código/esquemáticos/etc disponíveis. Não achei os links na página do catarse. Onde estão?

CERTI NIO
certiNIO78
Reply to  Fabio Utzig
17/11/2017 13:03

Olá Fábio,
Estamos finalizando alguns detalhes e em breve os arquivos estarão disponíveis. Não deixe de acompanhar nosso projeto.

Um abraço!

Fabio Utzig
Fabio Utzig
Reply to  certiNIO78
20/11/2017 13:55

Sim, eu imaginei que este era o caso. Mas talvez eu não tenho sido claro, o problema é que não se pode chamar algo de “open hardware” se não tem os arquivos de design disponíveis. Não importa se estarão lá em 1 semana, ou qualquer período aleatório. Só é open hardware se JA ESTAO. Isto está bem claro aqui: https://www.oshwa.org/faq/. Desculpem ser chato, mas é que sendo um projeto brasileiro era legal também seguir as regras do jogo, pra não ficar aquele estigma de “brasileiro faz as coisas errado e tal”. No mais boa sorte na campanha!

Rogerio Moreira
Rogerio
17/11/2017 05:46

Linux com Cortex-M4??????

Fabio Utzig
Fabio Utzig
Reply to  Rogerio
17/11/2017 07:17

Sim, funciona.

Rogerio Moreira
Rogerio Moreira
Membro
Reply to  Fabio Utzig
22/11/2017 05:44

O Embarcados é uma comunidade formada por especialistas com profundo conhecimento, as informações precisam ser exatas, que não é o caso aqui.
Felizmente, o prof. Sérgio Prado, o maior especialista brasileiro em Linux, esclareceu no seu blog : “possibilitando por exemplo o uso do kernel Linux (sem suporte a MMU) “, ou seja, não é Linux “full” , é apenas o kernel e sem suporte a MMU, já que o Cortex-M4 não tem MMU. Sugiro corrigir isso no site da campanha.

Fabio Utzig
Fabio Utzig
Reply to  Rogerio Moreira
22/11/2017 07:18

Obviamente numa MCU sem MMU o Linux vai rodar com MMU desabilitada! Mas continua existindo um userspace com shell, etc. Não é “apenas o kernel”. A quantidade de coisas que é possível rodar evidentemente é limitada pelos recursos do equipamento então não tem como esperar que rode Linux como rodariam num laptop ou numa RPi3. O mesmo valeria para uma CPU com MMU mas com apenas 1MB de RAM. Anyway continua sendo Linux então a resposta é “Sim, funciona”.

OBS: Eu não faco parte do projeto, só havia respondindo sua pergunta…

Rogerio Moreira
Rogerio Moreira
Membro
Reply to  Fabio Utzig
22/11/2017 14:18

Fábio, entendo sua posição. Mas a informação no site da campanha está obscura, deveria esclarecer como fez o Prof. Sérgio Prado no blog.

CERTI NIO
certiNIO
Reply to  Rogerio
17/11/2017 13:08

E estamos desafiando nossos desenvolvedores a subir em menos de 2 segundos considerando o tempo do bootloader ?

Rafael Gebert
Rafael Gebert
Reply to  Rogerio
28/11/2017 09:47

Realmente o esquemático não está disponível… mas acredito que seja um STM32F429ZI pelas características comentadas.
Eles devem ter utilizado o esquemático do KIT STM32F429-DISCO como referencia para fazer o NIO. O chip de wifi e blue parece muito com o usado na wandboard… mas só da para ter certeza ao acessar o esquemático do CERTI NIO.

WEBINAR

Imagens de Ultrassom: Princípios e Aplicações

DATA: 26/10 ÀS 19:30 H