Amplificador Operacional e Impedância de Saída

Caro leitor, no último artigo abordei sobre a impedância de entrada efetiva nas duas principais configurações do amplificador operacional: não inversora e a inversora. Mas ficou faltando uma impedância, não é!? Neste artigo abordarei como calcular a impedância de saída.

No modelo ideal consideramos a impedância de saída como nula, mas na prática não é bem assim. De acordo com a topologia interna do amplificador operacional e sua aplicação alvo, a impedância intrínseca de saída pode ser maior ou menor.

Infelizmente os fabricantes de semicondutores não costumam indicar a impedância de saída de todos os modelos, mas após chegarmos à equação veremos que a impedância tende mesmo a ser bastante pequena.

Quando disponibilizada, a forma de apresentação pode variar desde um valor constante em uma tabela até um gráfico. No caso dos gráficos, estes podem apresentar uma impedância quase que constante em toda a faixa ou bastante variável de acordo com a frequência. Em alguns casos, já apresentando o valor em malha fechada de acordo com o ganho do amplificador, como mostrado na figura a seguir (OP177 – Analog Devices, OPA827 – Texas Instruments, MCP6V26 – Microchip).

Várias apresentações da impedância de saída
Figura 1 – Apresentação da Impedância de Saída

A dedução da fórmula para cálculo da impedância de saída efetiva em malha fechada parte da mesma dedução que realizamos para a impedância de entrada da configuração não inversora do artigo anterior.

(1)

(2)

(3)

Aplicando a propriedade distributiva:

(4)

Isolando um dos termos, temos:

(5)

(6)

De acordo com a lei de Ohm:

(7)

(8)

Retornando ao princípio já apresentado de que a tensão de saída em malha aberta é resultado do ganho de malha aberta e da tensão diferencial nas entradas e substituindo na equação (8):

(9)

(10)

Se dividirmos ambos os lados pela corrente de saída:

(11)

(12)

Neste ponto vemos que a impedância de saída em malha aberta será sempre maior que em malha fechada. Se isolarmos na equação a impedância em malha fechada, teremos:

(13)

Bom, vamos a um exemplo mais prático para tornar isso mais visual. Tomemos como base o OP177 apresentado na figura 1. Sabemos que sua resistência em malha aberta é de “60Ω“.

Olhando no datasheet você pode se perguntar, onde está o ganho em malha aberta? Bom as vezes os fabricantes mudam um pouco a forma de apresentar este parâmetro. Geralmente é apresentado um ganho adimensional, em outros casos é apresentado na escala de dB, e em alguns casos pode apresentar como “Large Signal Voltage Gain” na escala de “V/mV”. Tomando como base o pior valor do datasheet, “5000V/mV”, sabemos que o pior ganho em malha aberta é de “5.000.000”.

Vamos pegar o exemplo do próprio datasheet, um amplificador diferencial de precisão com alto ganho (figura 28 do documento). Note que como esperado as duas malhas são simétricas e o próprio documento cita que a relação entre os resistores deve ser igual para obter o maior CMRR possível, conforme apresentado neste artigo sobre amplificadores de instrumentação.

Amplificador Diferencial de Precisão - OP177
Figura 2 – Amplificador Diferencial de Precisão

Agora resta apenas substituirmos na equação:

(14)

(15)

A impedância (resistência) efetiva de saída é muito menor que a declarada no datasheet. Apesar do parâmetro ? ser pequeno, o ganho em malha aberta é muito grande.

Mas não se engane, o valor físico continua o mesmo, novamente este é um efeito da realimentação negativa aliado ao elevado ganho de malha aberta.

Imagine que o seu amplificador deve gerar uma tensão X na saída e devido à carga nela conectada teremos uma corrente Y. O fluxo de corrente através da impedância interna irá gerar uma queda de tensão e para que a saída se mantenha estável será necessário que a malha interna compense a tensão gerada antes do resistor. Isto só é possível devido ao elevado ganho de malha aberta e ao artifício da realimentação negativa.

Na prática o AmpOp irá tentar compensar ao máximo a queda de tensão na impedância de saída, independente da carga. Mas existem limites, a soma das tensões na carga e na impedância interna deve ser igual ao limite de alimentação do dispositivo (lei de Kirchhoff das malhas). Se a carga demandar muita corrente, não será possível excursionar plenamente a tensão de saída, mesmo em um AmpOp do tipo Rail-to-Rail.

Existem mais métodos de se chegar a este resultado, como exemplo indico o vídeo a seguir:

Prezado leitor, chegamos ao final deste artigo. Qualquer dúvida, deixe seu comentário abaixo. Um abraço e até o próximo artigo.

Saiba mais

Trazendo o mundo real para dentro do processador – Condicionamento de sinais analógicos

Referência de tensão de precisão – A ideia

Introdução a Digital Power com os processadores STM32F334 – Parte I

Outros artigos da série

<< Amplificador Operacional e Impedância de EntradaCondicionando sinais AC para AmpOp com fonte simples >>
Licença Creative Commons Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Receba os melhores conteúdos sobre sistemas eletrônicos embarcados, dicas, tutoriais e promoções.

Hardware » Amplificador Operacional e Impedância de Saída
Comentários:
Notificações
Notificar
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Talvez você goste:

Séries



Outros da Série

Menu